Todos os anos uma triste estatística tem que ser contabilizada pela Polícia Científica no período do inverno: a de mortes brancas. Esse tipo de falecimento ocorre com o envenenamento com o monóxido de carbono, gás resultante da queima incompleta que acontece nos sistemas doa aquecedores a gás.

Segundo a perita criminal e relações públicas do Sinpoapar (Sindicato dos Peritos Oficiais e Auxiliares do Paraná), Jussara Joeckel, a maioria das pessoas fecha as janelas que ficam ao redor do local em que o aquecedor está instalado devido ao frio e então o monóxido de carbono fica no ambiente.

“O mais agravante é que na morte branca a pessoa não percebe que está sendo envenenada pelo monóxido de carbono. Primeiro ela sente um bem estar, depois torpor, uma sonolência”, explica Jussara.

De acordo com a perita, quando entra pela via respiratória, o monóxido de carbono se junto com a hemoglobina e percorre todo o corpo, envenenando-o.

Antídoto e cuidados

Nem todo mundo sabe, mas o antídoto para a morte branca não poderia ser mais simples: oxigênio. “O oxigênio desfaz o veneno. Basta sair do local onde está e ir tomar um ar, respirar fundo”, aconselha.

A perita afirma ser muito importante manter sempre uma ventilação cruzada com abertura permanente no local em que o aquecedor fica. Além disso também é essencial realizar a manutenção e respeitar o manual de instruções.