Da SMCS

Das 12 mil vagas para realização de mamografias abertas todos os meses pela rede municipal de saúde em Curitiba, apenas 50% são aproveitadas pelas mulheres com 50 anos ou mais. Mas este mês, quando é celebrado o Outubro Rosa, o número deverá ser maior. Na primeira quinzena foram agendadas 3.988 exames pelo SUS. A meta é chegar a 8 mil, ou seja, 2 mil a mais do que a média mensal.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres e é também o que mais deixa vítimas. A principal forma de descobrir e prevenir a doença é através do exame, mas o medo do resultado leva muitas mulheres a adiá-lo.

mamografia-111013-bandab

(Foto: Cesar Brustolin/SMCS)

Para estimular a realização do exame, a Secretaria Municipal de Saúde aderiu ao trabalho do Outubro Rosa. Muitas unidades de saúde estão enfeitadas de rosa e esclarecendo as mulheres sobre a importância da mamografia e os cuidados com a saúde.

A auxiliar de saúde bucal Tania Maria Domingues de Souza, mesmo trabalhando na Unidade de Saúde Ouvidor Pardinho, evitava fazer o exame. “Sempre achei que não precisava, até o dia em que senti um caroço no meu seio. Extraí um nódulo que tinha o tamanho de um gomo de mexerica. O susto foi enorme. Hoje incentivo as mulheres a fazerem a mamografia”, afirma.

Prevenção

Quem tem 50 anos ou mais nem precisa de pedido do médico especialista, um mastologista, para fazer o exame. As equipes de enfermagem das 109 unidades de saúde solicitam o exame, que mostra se na mama há deformações sugestivas de anomalias.

“Desde que a descoberta do câncer seja precoce, é feita a cirurgia apara tirar o tumor, sem necessidade de retirada completa da mama. E mesmo que esta intervenção seja necessária, há o recurso da plástica para reconstrução da mama, que hoje também é realizada pelo SUS”, explica César Titton, diretor do Departamento de Redes da Secretaria Municipal de Saúde.

“O exame causa um desconforto, mas que é infinitamente menor do que o susto que levamos quando sentimos um caroço no seio. Sou profissional da saúde e achava que comigo nunca aconteceria nada mas hoje aconselho a todas as mulheres que conheço: façam o exame, sem medo. Prevenir é sempre melhor”, ressalta Tania Maria.