Da SMCS

Curitiba recebeu nesta sexta-feira (09) representantes do Ministério da Saúde que vieram observar como está funcionando o projeto piloto da assistência farmacêutica implantado em 56 unidades básicas de saúde da capital paranaense. Nele, pacientes que apresentam mais de duas patologias, ou necessitam tomar mais de cinco medicamentos diários, passam por consultas com farmacêuticos da rede municipal. Na consulta é feita uma avaliação geral do paciente e os farmacêuticos explicam para ele e seus cuidadores a maneira correta da ingestão dos remédios e os perigos da associação desses medicamentos com outros de uso esporádico, sem conhecimento médico.

avaliacao-saude-100514-bandab

(Foto: Jaelson Lucas/SMCS)

“Antigamente a preocupação com a assistência farmacêutica se concentrava no abastecimento, mas com este projeto fomos além, resgatamos o principal papel do farmacêutico que é com o cuidado, para isso qualificamos nossos profissionais para que possam orientar seus pacientes sobre o uso racional e correto dos medicamentos”, disse o secretário municipal da Saúde, Adriano Massuda.

“Com este projeto conseguimos inserir a assistência farmacêutica em outro patamar dentro da rede de saúde. Nas redes da farmácia muito já se falou sobre isso e pouco foi feito, mas no âmbito do SUS isto é uma inovação e um ganho real para seus usuários”, ressaltou o diretor de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde José Miguel Nascimento Junior.

Programa

O projeto piloto faz parte do Programa de Qualificação dos Serviços Farmacêuticos (QualifarSUS), do Ministério da Saúde. Nele, farmacêuticos fazem consultas individuais com os pacientes e seus cuidadores para orientar sobre a forma correta de utilizar os medicamentos.

A implantação do projeto começou em março do ano passado, com a capacitação dos profissionais da rede. O trabalho vai além da orientação clínica dos pacientes. Inclui a avaliação da cadeia logística da gestão de medicamentos da Secretaria, desde o funcionamento do sistema de informação, passando pelo trabalho de aprimoramento e melhora do processo de dispensar remédios nas unidades.

Há um mês o projeto começou a ser aplicado efetivamente em unidades básicas de Curitiba. As equipes de Saúde da Família das unidades são responsáveis pela indicação dos pacientes que serão atendidos por farmacêuticos em consultas de avaliação. Trinta dias depois da primeira consulta, eles serão reavaliados.

“Conversando com pacientes que estão participando do projeto vimos pessoas contentes com a atenção e cuidado que estão recebendo. É importante verificarmos estes resultados para aprimorarmos ainda mais o projeto que será levado para todo país”, contou Karen Costa, coordenadora da Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde.

“É a primeira vez que estou em contato com pessoas ao longo da minha vida profissional. Me formei para trabalhar com medicamentos, sistemas e não com gente e o meu grande desafio é aprender isso e estou totalmente aberta para esta mudança que o SUS Curitiba está passando.”, disse a farmacêutica Cristiane Maria Chemin que atende unidades de saúde do Portão.