Redação com assessoria

O mito do tamanho ideal do pênis povoa o imaginário de muitos homens. No entanto, na maioria das vezes, a inquietação com o tamanho é uma forma idealizada e simbólica de o indivíduo demonstrar uma preocupação mais ampla: com a sua virilidade.

“Podemos dizer que, muitas vezes, o assunto é superestimado, já que o tamanho do pênis é uma característica pessoal e que varia de homem para homem de acordo com uma série de indicativos, assim como acontece com a orelha, o nariz e as mãos, por exemplo”, afirma o urologista Raphael Moreira.

De acordo com o especialista, a grande maioria dos homens que procura um urologista em busca de uma cirurgia para a correção do tamanho peniano o faz sem que exista uma real necessidade. “Como podem gerar consequências funcionais para o pênis, as cirurgias realizadas somente para fins estéticos são condenadas pela Sociedade Brasileira de Urologia”, explica o médico.

O urologista ressalta a importância de o homem passar por uma avaliação criteriosa antes da realização de qualquer procedimento, para analisar se a necessidade de intervenção realmente existe. Indicada apenas nos raros casos de micropênis (quando não atinge 2,5cm flácido ou 7,5cm ereto), a operação consiste em seccionar o ligamento suspensor do membro até a porção inferior da sínfise pubiana (articulação que une os ramos direito e esquerdo do osso pubiano) e o aumento varia de 2cm a 4cm.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, o procedimento pode acabar prejudicando a vida sexual do paciente, já que pode provocar a instabilidade do pênis em ereção; limitar a capacidade de penetração; causar deformações, perda de sensibilidade e nódulos; além de comprometer a uretra e, consequentemente, impactar o jato urinário.

As cirurgias são indicadas apenas quando há uma deformidade que impeça o funcionamento do órgão. “Nos outros casos, é fundamental compreender as razões reais que fazem com que o homem considere seu pênis pequeno, para saber a melhor forma de administrar a situação”, diz. O especialista ressalta que, mais que com o tamanho, a preocupação deve ser com a capacidade de uso e, como consequência, com a possibilidade de penetração e relacionamento sexual satisfatório para o casal.

“Assim como a mulher, o homem deve aceitar seu corpo da forma como ele é e procurar possibilidades de satisfação, tendo em mente que mais importante que o tamanho do pênis em si é a capacidade de envolvimento afetivo-sexual”, explica o médico. Muitas vezes o problema que, primeiramente, é atrelado ao tamanho do pênis pode, na verdade, ter alguma motivação emocional ou relacional.