Da AEN

O secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, participou nesta quarta-feira (09) da reunião ordinária do Conselho Municipal de Saúde de Curitiba e apresentou a política estadual colocada em prática para melhorar o atendimento em saúde na capital do Estado.

Entre os principais investimentos no município estão as construções de um novo hospital na Zona Norte e do Centro de Especialidades, que beneficiarão toda a Região Metropolitana de Curitiba. “Em dois anos, investiremos cerca de R$ 48 milhões nas duas obras. Além disso, já garantimos recursos de custeio para auxiliar a manutenção das duas unidades”, explicou Caputo Neto.

As obras estão em fase de projeto. O Governo do Estado já se dispôs a ceder o terreno para o hospital, que ficaria em um local de fácil acesso no bairro do Tarumã. A obra também terá contrapartida dos governos federal e municipal.

Segundo o conselheiro municipal de saúde, Adilson Tremura, que representa a população da zona Norte de Curitiba, o novo hospital é uma demanda antiga dos moradores. “Há anos reivindicamos um hospital para nossa região e agora vamos acompanhar o processo para que esse projeto realmente se concretize”, afirmou.

APOIO – O secretário falou ainda sobre melhorias que já estão acontecendo na capital, como a construção de cinco unidades da Saúde da Família. Estão sendo investidos R$ 6,2 milhões em recursos do Estado nessas obras, que devem ser concluídas até o ano que vem. As unidades vão fortalecer a atenção básica nos bairros Campo Alegre, Jardim Aliança, Coqueiros, Sabará e Xaxim.

Recentemente, o governador Beto Richa também autorizou a aquisição de diversos equipamentos e mobiliário para melhorar a estrutura das unidades de saúde já existentes, com investimento aproximadamente R$ 4,7 milhões.

Outra área que está recebendo grandes investimentos é a Vigilância em Saúde, que envolve os setores de vigilância sanitária, combate à dengue, vacinação, saúde do trabalhador, enfrentamento da gripe e controle de outras doenças. Somente em 2013, Curitiba recebeu cerca de R$ 800 mil para reforçar e custear as ações das equipes de saúde. Este é o maior valor repassado para um município pelo programa estadual VigiaSUS.

Rede Hospitalar

Oito hospitais de Curitiba também recebem recursos para obras, equipamentos e custeio pelo programa estadual HospSUS – Hospital do Idoso Zilda Arns, Hospital Universitário Cajuru, Hospital do Trabalhador, Hospital Evangélico, Santa Casa de Curitiba, Hospital Pequeno Príncipe, Hospital de Clínicas e Maternidade Mater Dei. Os recursos servem para as unidades qualificarem seus serviços e se tornarem referência para as Redes Paraná Urgência e Mãe Paranaense.

O secretário municipal de saúde de Curitiba, Adriano Massuda, também participou da reunião e afirmou que os avanços na rede pública de saúde da capital já são notáveis. “Ainda temos vários desafios, principalmente por conta do crescente número de atendimentos de pacientes da Região Metropolitana de Curitiba. Por isso, precisamos do apoio do Estado para dar essa resposta à população”, disse.