Da Redação

Por meio de nota enviada à imprensa nesta segunda-feira (3), os hospitais Universitários Cajuru, Santa Casa, Pequeno Príncipe e Erasto Gaertner demonstram preocupação em relação à assistência de saúde na cidade de Curitiba. A apreensão se deve ao atraso no repasse de recursos federais no valor de R$ 43.802.728,86, referente ao contrato fixo de prestação de serviços para o Sistema Único de Saúde (SUS), que a Prefeitura Municipal de Curitiba deveria ter feito aos hospitais no último dia 16 de outubro. Por sua vez, a Prefeitura Municipal de Curitiba nega o atraso.

Segundo a nota, a portaria de número 2.617 do Ministério da Saúde estabelece o prazo de cinco dias úteis, após a transferência federal à prefeitura, para o repasse aos hospitais. No último dia 9 de outubro, o Fundo Nacional de Saúde destinou o recurso para que a prefeitura encaminhasse às entidades que prestam serviço ao SUS na capital, o que classifica 18 dias de atraso, segundo informaram os hospitais que assinam a nota.

cajuruHospital Cajuru é um dos afetados com a falta de repasse (Foto: Divulgação)

“Em função do regime de gestão plena do Município, os hospitais exigem um posicionamento oficial da Prefeitura de Curitiba quanto a efetivação da transferência dos recursos enviados pela Governo Federal. As instituições lesadas alertam que os atrasos no repasse geram a tomada de empréstimos pelos hospitais, agravando a situação financeira dos mesmos”, diz trecho da nota.

Em outra parte do documento, as direções demonstram preocupação com o pagamento do 13° salário dos funcionários. “Os hospitais não conseguem efetuar o pagamento das suas obrigações em dia, os fornecedores indicam possível desabastecimento de itens necessários a assistência dos pacientes e o pagamento dos colaboradores pode ficar comprometido caso os repasses em atraso não sejam recebidos pelos hospitais. Lembramos também a importância da regularização dos pagamentos em função da necessidade dos hospitais efetuarem o pagamento do 13º salário dos colaboradores”, alertam.

A Banda B entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Curitiba, que enviou a seguinte nota sobre o caso:

A Secretaria Municipal da Saúde não reconhece os valores apresentados pelos Hospitais Cajuru, Santa Casa e Pequeno Príncipe, pois eles incluem repasses que ainda não venceram. A administração tem feito esforços para, além dos pagamentos atuais do SUS, arcar também com dívidas de anos anteriores. Neste ano, a Secretaria já repassou um total de R$ 634 milhões para a rede hospitalar e especializada em Curitiba, além de R$ 113 milhões referentes a dívidas de anos anteriores – as quais incluem R$ 13 milhões em dívidas pagas ao Cajuru e à Santa Casa e R$ 4 milhões ao Hospital Pequeno Príncipe.