Da Redação

O Conselho Regional de Medicina do Paraná informou na tarde desta terça-feira (17) que não irá inscrever os 20 médicos do exterior que vierem trabalhar no estado. Isso porque, de acordo com o órgão, a forma com que a documentação desses profissionais foi apresentada pelo Ministério da Saúde e Advocacia Geral da União demonstra amadorismo e falta de cuidado do governo para com a saúde e a população do país.

crm-170913-bandab

Foto: Divulgação

De acordo com o CRM-PR, Nenhum candidato tinha toda a documentação necessária para efetuar a inscrição no Conselho. Cópias simples de diplomas de Medicina, sem tradução juramentada para o português (alguns têm uma tradução simples sem qualquer assinatura ou carimbo) ou sem chancela do governo brasileiro, ausência de diploma, fotos sem identificação clara, documentos e formulários trocados ou, ainda, a falta deles, indicam que sequer foram analisados de acordo com os critérios especificados pelo próprio governo, caracterizando extrema falta de zelo.

“O absurdo extremo foi a tentativa de inscrição de dois médicos com o diploma de outras pessoas. O conteúdo da documentação falha em garantir que essas pessoas realmente são profissionais com a formação e capacidade adequadas para que se possa atestar sua permanência e desenvolvimento de atividades no Estado. Preocupa-nos a forma com que a documentação foi checada, cabendo uma pergunta: quem  conferiu a veracidade dos diplomas, já que recebemos apenas cópias?”, questiona o presidente do CRM-PR, Alexandre Gustavo Bley.

Para Alexandre Bley, o caso reflete o estado do atual governo que, para tentar dar respostas à sociedade, ignora a legalidade e tenta impor sua vontade, esperando que os demais compactuem com o que dita. “Frisamos que nenhum profissional pode atuar no Estado sem registro no Conselho. A necessidade de todo cuidado com a documentação exprime a função legal do CRM em salvaguardar a saúde das pessoas. Nunca fomos contra a vinda de médicos formados no exterior, mas não podemos permitir que profissionais sem comprovada qualificação atuem no Paraná”, afirma o presidente.

Os profissionais têm formação em países como Argentina, Espanha, Rússia, Portugal, México, Itália, Egito e Venezuela, sendo 10 brasileiros e os demais estrangeiros.