Redação com CMC

Os vereadores de Curitiba aprovaram emenda aditiva ao Plano Diretor (005.00047.2015), que proíbe a implantação de sistemas de controle de tráfego de veículos, como o pedágio urbano e o rodízio de placas. Apresentada pelo vereador Jonny Stica (PT), a emenda acrescenta parágrafo único ao artigo 30 do Plano, que determina os instrumentos de gestão da mobilidade urbana e do sistema de transporte.

Pedestres e pessoas que se locomoviam em motos (pilotando ou na garupa) formam a maior parte das vítimas de trânsito em Curitiba, de acordo com dados do primeiro semestre de 2012 divulgados nesta quinta-feira (21) pelas secretarias municipais de Saúde (SMS) e de Trânsito (Setran).Curitiba, 21/02/2013 Foto: Luiz Costa/SMCS

Curitiba não terá rodízio ou pedágio de carros

Na justificativa da emenda, Stica afirma que os dois mecanismo são ineficientes, já que não trazem avanços reais para a mobilidade urbana. Sobre o pedágio urbano, o vereador destaca o alto custo de vida que o cidadão está arcando. “A população está sobrecarregada com a alta carga tributária e já paga impostos que custeiam o transporte público e a manutenção das vias públicas”, argumentou.

Adotado em São Paulo desde 1997, o sistema de rodízio, que impede veículos de circularem nos horários de pico em determinadas regiões, de acordo com o final da placa e dia da semana, também é rejeitada por Jonny Stica. “Traz poucos reflexos no fluxo de trânsito, ainda mais quando cidadãos acabam comprando carros com placas de finais distintos para, de certa forma, ‘burlar’ o sistema”, complementa.

No Plano

O Plano Diretor reserva o capítulo II inteiro em seus 17 artigos (do 29 ao 45) para tratar da mobilidade urbana. Estão planejadas medidas para reduzir os deslocamentos dentro da cidade e para desestimular o uso do automóvel. Neste sentido, o PD prevê a adoção de procedimentos para restringir e controlar o acesso e a circulação de veículos motorizados em locais e horários predeterminados; a estipulação de padrões de emissão de poluentes, também para locais e horários específicos, com possibilidade de condicionar acesso e circulação a estas regiões. Algumas destas medidas foram interpretadas como intenção de implantar o pedágio urbano em Curitiba.