Redação com G1/PR

A ministra do Superior Tribunal de Justiça Nancy Andrighi autorizou nesta quarta-feira (30) a abertura de inquérito para investigar se o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), tem envolvimento com supostas fraudes envolvendo o Porto de Paranaguá. As informações são do G1/PR.

A apuração, que está em segredo de justiça, cita suspeitas de corrupção “na concessão de licença ambiental pelo Instituto Ambiental do Paraná”. O procedimento tem relação com uma operação policial realizada no porto.

A ministra determinou que a Justiça em Paranaguá remeta em 15 dias as cópias do procedimento e que a Polícia Federal tome os depoimentos pedidos em até 30 dias.

Outro lado

A assessoria do governador informou que ele considera “um absurdo” a inclusão do nome dele nessa denúncia e que cobra uma investigação profunda, a fim de comprovar que é inocente.

Segue a nota do Governo:

“O Governo do Estado informa ainda que os processos de licenciamento ambiental realizados pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) seguem rigorosamente as legislações ambientais estadual e federal, bem como critérios técnicos para a concessão de licenças. A regularidade do processo em questão será comprovada, assim como todos os procedimentos realizados pelo órgão ambiental”, diz a nota.

Outro inquérito

O governador já é alvo de outro inquérito que tramita no STJ. Em março do ano passado,o STJ autorizou diligências na investigação que apura o envolvimento de Richa no esquema de corrupção na Receita Estadual revelado pela Operação Publicano. O auditor fiscal Luiz Antônio de Souza sustenta que pelo menos sete delegacias regionais da Receita Estadual, em Curitiba, Londrina, Maringá, Umuarama, Cascavel, Foz do Iguaçu e Ponta Grossa, arrecadaram um total de R$ 4,3 milhões para a campanha de reeleição do tucano.