Por Elizangela Jubanski e Fávia Barros

A presidente Dilma Rousseff esteve em Curitiba nesta segunda-feira (8) para participar do ‘Circo da Democracia’ e voltou a defender a convocação de um plebiscito. Para ela, é fundamental que o povo brasileiro decida o rumo da política no país. Dilma aproveitou para alfinetar o presidente interino Michel Temer (PMDB). “O povo passou a ter um Governo substitutivo que é empedrado, tirano, velho, rico e que tem problemas graves com a Justiça. Essa situação não é a que vai nos permitir superar, de fato, uma a crise”, alegou.

Sob os gritos de ‘Fora Temer’, ‘Volta Dilma’ e ‘O Povo Não é Bobo Abaixo a Rede Globo’, a presidente eleita discursou por cerca de 40 minutos na tenda montada para o evento, na Praça Santos Andrade, no Centro de Curitiba. Cerca de mil pessoas estavam no local para ouvir a presidente.

Durante o pronunciamento, Dilma defendeu uma reforma política e rechaçou qualquer tentativa contra a democracia. “Que se coloque duas questões – a eleição e uma reforma política. Eu estou na luta com vocês não porque é meu mandato que está em questão. O que está em questão nessa hora é a democracia, e não é abstrata ou genérica, é o que vai acontecer amanhã, qual é nossa opinião, como vamos opiniar sobre questões que estão acontecendo agora. Eu tenho certeza que a saída da crise passa por essa discussão de hoje, passa pela derrota desse impeachment no Senado e passa também pela convocação de um prebliscito”, disse.

Como programado, a presidente estava ao lado do ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcelo Lavanère. Mais de 100 entidades estão envolvidas na organização do Circo da Democracia em Curitiba. Espetáculos circenses e intervenções políticas se misturam no picadeiro. O circo utilizado para o evento é da família circense Zanchettini que tem mais de 20 anos de trabalho no estado do Paraná, de acordo com os organizadores.

Sobre o Circo

A ideia do Circo da Democracia se inspira no Circo da Constituinte, realizado também em Curitiba, no ano de 1987. Foram montados naquela época vários circos pela cidade para debater propostas para a Constituinte com a população. O lema daquele também inspira esta edição do Circo: “é proibido proibir a entrada de qualquer pessoa a qualquer hora e não haverá cobrança de ingressos.” Pela grande adesão de diversos setores, o circo também unifica a resistência ao golpe e às tentativas de retiradas de direitos sociais e trabalhistas, protagonizadas pelo governo interino de Michel Temer e pelo Congresso Nacional. As datas coincidem com o período em que o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff está sendo votado no Senado.

O início do julgamento final da presidente afastada, Dilma Rousseff, começará dia 25 ou 26 (sem sessões no fim de semana de 27 e 28), com os trabalhados sendo retomados nos dias 29, 30 e 31.