Por Denise Mello

O chefe da Casa Civil do Paraná, Eduardo Sciarra, defendeu nesta terça-feira (10), a urgência da votação do “pacotaço” apresentado pelo governo para reequilibrar as contas do estado. Em entrevista ao Jornal da Banda B, Sciarra disse que a decisão de votar os projetos em comissão geral (sem passar por outras comissões), de uma só vez, é uma medida necessária neste momento de crise

“Essa rapidez é em função da realidade que se impõe. O governo tem pressa porque não queremos continuar atrasando pagamentos justamente por problemas momentâneos de caixa. E as medidas estão sendo discutidas com intensidade, temos dado todo embasamento para os deputados, que também representam os servidores. É fundamental a votação de forma rápida para mantermos o fluxo de caixa necessário, principalmente porque existe uma queda de arrecadação em todo o país”, afirmou Sicarra.

Secretário chefe da Casa Civil, Eduardo Francisco Sciarra. Foto: Divulgação

Eduardo Sciarra diz que crise no PR é momentânea – Foto: AEN

O governo alterou três pontos dos projetos após uma reunião do governador Beto Richa com 37 deputados da base aliada, na noite desta segunda-feira. O qüinqüênio e o anuênio dos servidores serão mantidos, será mantido o pagamento do auxílio-transporte para servidores mesmo em férias e licenças, e os servidores da educação não terão mais alteração no Plano de Desenvolvimento Educacional, o PDE. Sciarra tem certeza que, com estas mudanças, os projetos serão aprovados nesta terça-feira.

“Os deputados trouxeram as reivindicações e os servidores, principalmente os da educação, não serão prejudicados. O governador Beto Richa demonstrou compreensão a essas medidas e temos convicção que amos votar hoje as mudanças fundamentais para o Paraná”, completa o chefe da Casa Civil.

Por que o Paraná está assim?

Questionado sobre qual seria a razão do Paraná ter chegado a uma situação financeira tão crítica, Sciarra elencou vários motivos: “A expectativa de arrecadação não se confirmou e isso em todo o país. Além disso, o governo fez alterações salariais importantes para os servidores. Só os professores receberam 60% de reajuste nos últimos quatro anos. Houve contratações de novos policiais para repor um quadro sem reposição há anos. Soma-se a isso o fato de que as medidas tomadas em dezembro, como o aumento no IPVA e do ICMS, estão na chamada noventena e só irão representar mudanças no caixa do estado em abril e maio. E claro que essa situação também é fruto da crise econômica, que é generalizada em todo o país”, afirmou.

O representante do governo encerrou a entrevista com a certeza de que toda a crise vai passar. “Temos convicção que4 com essas medidas o Paraná irá alcançar seu equilíbrio financeiro em curto e médio prazo e poderemos voltar a investir cerca de 10% da arrecadação ao ano”, encerrou.