AEN
Encontro reuniu secretários

O governador Beto Richa reuniu nesta terça-feira (5) toda a equipe de governo no Palácio Iguaçu. No encontro com secretários, presidentes de estatais e dirigentes de autarquias, Richa fez um balanço da gestão, destacando avanços em todas as áreas da administração estadual. “Temos motivos para nos orgulhar pelos resultados alcançados até aqui e bons projetos para serem executados. Estou muito otimista com a capacidade da nossa equipe de realizar os programas de governo”, disse.

Na reunião realizada no Gabinete de Gestão e Informação (GGI), no Palácio Iguaçu, o governador afirmou que estes encontros são fundamentais para manter a unidade dos gestores de diversas áreas do Estado. “Queremos reforçar a sinergia e a boa sintonia entre todos do governo. Essa equipe é capaz e temos que continuar a desenvolver nossos programas num ritmo ainda mais acelerado”, afirmou Richa.

O governador classificou os primeiros dois anos de gestão como satisfatórios e disse estar otimista com os avanços que ainda virão. “Apesar das dificuldades financeiras, realizamos importantes obras em todas as áreas, especialmente em saúde, educação e segurança pública. O Paraná volta hoje a ser um Estado respeitado pelo Brasil”, afirmou.

Richa também pediu austeridade à equipe e a redução dos gastos com custeio (telefone, diárias, energia elétrica, combustível, entre outras). “Conto com a ajuda de todos para dar mais agilidade aos investimentos e melhorarmos nossas receitas”, afirmou o governador.

Ele ressaltou que o Paraná tem sofrido com a queda nas transferências do governo federal, que comprometem o orçamento estadual. “Tivemos uma queda vertiginosa nas receitas vindas da União, que chega a R$ 1 bilhão. A União tem cada vez mais concentrado receitas e distribuindo atribuições”, afirmou Richa.

Além da queda no repasse de verbas federais, Richa disse que os juros dos empréstimos contraídos com o governo federal penalizam o Paraná e os demais estados brasileiros. “O governo federal tem sido agiota dos estados brasileiros, cobrando altíssimas taxas de juros que compromete as contas dos estados”, disse.

Balanço

O secretário da Fazenda, Luiz Carlos Hauly, fez uma explanação sobre a situação financeira do Estado. Ele disse que, apesar das crises internacionais e nacionais, o Paraná conseguiu ampliar suas receitas próprias em 10,9% em 2012.

Ele reforçou que a queda nas transferências federais comprometeu as contas do Estado. “O repasse do governo federal para saúde ano passado não cobriu nem a inflação”, afirmou.

O secretário também pediu aos secretários austeridade com os gastos correntes para haver uma sobra de recursos. “Com um ajuste, teremos mais dinheiros para aplicar em obras. Precisamos agir com rigor e economia, mas não deixaremos de ser desenvolvimentistas”, destacou.

Para o secretário chefe da Casa Civil, Reinhold Stephanes, a prioridade é articular as secretarias de Estado para agilizar e dar maior fluidez aos programas de governo. “Precisamos agir em conjunto para que as obras saiam do papel. Os procedimentos no setor público são lentos. Por isso, precisamos de articulação”, disse.

Além de secretários de Estado e presidentes de autarquias, esteve presentes na reunião o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano.