A ex-vereadora de Curitiba, Renata Bueno (PPS), fez história nesta terça-feira ao ser declarada pela justiça eleitoral da Itália como a primeira brasileira a ser eleita deputada para o Parlamento da República Italiana. Ela vai ocupar uma das quatro vagas destinadas aos italianos ou sul-americanos com dupla cidadania residentes no América do Sul. Advogada, Renata Bueno percorreu o Brasil e a Argentina, desde janeiro, fazendo campanha pelo movimento Unione Sudamericana Emigrati Italiani (USEI). Sua chapa conquistou 21 mil votos no Brasil e 18 mil na Argentina. A posse dela acontece no dia 12 de março.

Para Renata Bueno, ser a primeira brasileira no Parlamento italiano é uma grande responsabilidade. “O Brasil espera de mim um bom trabalho. Representar os italianos do nosso país aqui (na Itália) vai ser um orgulho para todo o nosso grupo”, disse.

Segundo a nova deputada, sua eleição é uma vitória do PPS, que trabalhou não somente nas hostes partidárias por sua candidatura, assim como buscou apoio institucional para que sua eleição se tornasse realidade. “Viajei por todo o país. A minha candidatura foi aceita por políticos dos mais diversos partidos. Esse é mais um desafio que nos encoraja e anima muito”, afirmou.

Além de Renata, foram eleitos pela América do Sul Ricardo Merlo e Mario Borghese, do MAI, e Fabio Porta, do PD.

Perfil e envolvimento com a política italiana

Envolvida com a comunidade italiana há dez anos, quando iniciou a especialização em Direitos Humanos pela Universidade de Padova, Renata – que é dirigente do Partido Democrático – se envolveu com a questão eleitoral a partir do convite do senador Edoardo Pollastri e integra uma lista cívica pelo movimento Unione Sudamericana Emigrati Italiani (USEI).

Suas propostas de trabalho contemplam a defesa dos interesses da comunidade italiana residente na América do Sul, com ênfase ao Brasil.

Renata é filha do líder do PPS na Câmara dos Deputados, Rubens Bueno (PR). Foi vereadora de Curitiba na última gestão, mas não conseguiu se reeleger.