Redação

murilo-hidalgo

Murilo Hidalgo esteve em Brasília na última semana

O diretor do Instituto Paraná Pesquisas e analista político, Murilo Hidalgo, esteve em Brasília na última semana e fez um balanço sobre as conclusões que tirou, em entrevista à Banda B nesta segunda-feira (9). Uma das conclusões, segundo Hidalgo, é que, hoje, não há nenhuma definição sobre quem o PSD irá apoiar nas eleições no Paraná em 2014. “O PSD de Kassab, Eduardo Sciarra, Ney Leprevost e Luiz Carlos Martins ainda é uma incógnita sobre quem vai apoiar nas eleições para o governo do Paraná no ano que vem. Será que vão apoiar o Beto Richa, a Gleisi Hoffmann ou vão de candidatura própria com o empresário Joel Malucelli? Ninguém sabe. Tanto o PT quanto o PSDB que fiquem de olhos abertos”, afirmou Hidalgo.

O analista afirmou também que, após sua viagem a Brasília, não tem mais dúvidas que a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT) será candidata ao governo em 2014. “A Gleisi é candidata ao governo e existe a possibilidade forte dela deixar a Casa Civil no final do ano para viajar pelo estado já a partir de janeiro”.

Segundo o analista, está muito claro também que o senador Roberto Requião (PMDB) quer disputar o governo, mas ninguém sabe se vai conseguir. “Vontade de disputar o governo não falta para Requião, mas ele terá que passar pela convenção do PMDB e vencer a disputa interna no partido. Ninguém sabe se ele vai conseguir e aí vem a segunda pergunta: o PMDB nacional vai intervir ou não na decisão estadual? O certo é que tudo isso só vai se definir no partido aos 48 minutos do segundo tempo”, afirmou Hidalgo.

Por fim, o diretor do Paraná Pesquisas, disse que muito se fala em reforma política em Brasília, mas a discussão está sem foco. “A discussão é grande porque todos sabem da grande necessidade de uma reforma política em nosso país, mas não há foco. Há muita discussão, por exemplo, sobre o tamanho dos adesivos nas campanhas, se devem ter 50cm X 50cm ou 50cm X 30cm. Qual a importância disso? Há coisas muito mais relevantes”, completou o analista.