Da Redação

Para que a lei que veta dupla função dos motoristas de ônibus seja cumprida efetivamente, sem ônus aos usuários, os vereadores de Curitiba precisam colher um documento com a assinatura dos 38 parlamentares para apresentar novamente a proposta de alteração no texto da lei aprovada no final do ano passado. O vereador Valdemir Soares (PRB) retirou o pedido de urgência na votação ontem para que haja maior discussão junto às entidades envolvidas, por uma ameaça da passagem do transporte coletivo de Curitiba subir em R$0,05 com a contratação de cobradores e adaptação dos ônibus.

O projeto para modificação no texto da lei será protocolado na próxima quarta-feira (21) pela necessidade de publicação da aprovação de retirada do pedido de urgência.  “A luta só se estendeu um pouquinho mas vai chegar ao final com um transporte mais seguro para os passageiros e funcionários”, afirmou Valdemir.

O vereador ressaltou ainda que a Casa abriu mão de 10 milhões de reais para poder contribuir com a tarifa e favorecer o usuário, que a decisão de reapresentar o projeto  é coesa e toda Câmara é totalmente contra o trabalho da dupla função no transporte coletivo. Lembrou por mais uma vez a necessidade de eliminar a possibilidade do projeto ser aprovado e depois acarretar ônus ao usuário.

A necessidade de alteração na legislação é pela brecha jurídica encontrada pela Prefeitura, Urbs e empresas de ônibus. A argumentação é que quando os motoristas estão com os veículos parados podem cobrar as passagens sem acumular a função de cobrador.