Redação com MP-PR

gilvanPrefeito Gilvan foi preso em Curitiba – Foto: Rede Sul Notícias

O prefeito de Prudentópolis, Gilvan Pizzano Agibert (PPS), foi preso em flagrante na tarde desta quinta feira (12) em Curitiba. A prisão foi feita pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que investigava o envolvimento do prefeito em possível esquema de recebimento de propina. Gilvan foi preso em flagrante no momento em que empresários que prestam serviços à Prefeitura entregavam a ele R$ 20 mil. A prisão foi em um imóvel, em Curitiba.

O empresário do segmento de coleta de lixo também foi preso, mas não teve o nome revelado pelo Gaeco.. Eles são acusados por corrupção passiva e ativa.

As prisões decorrem de investigações que vêm sendo realizadas há um ano pelo Gaeco de Guarapuava, para apurar denúncias de corrupção, fraudes a licitações, peculato e falsidade ideológica, envolvendo 13 empresas e pessoas ligadas à Administração do Município de Prudentópolis.

Durante a operação, que se estendeu até a manhã desta sexta-feira (13 de fevereiro), também foram cumpridos outros dois mandados de prisão temporária e doze de busca e apreensão na cidade de Prudentópolis. As medidas foram deferidas pelo Juízo da Vara Criminal da comarca e pelo Tribunal de Justiça do Paraná.

Além do prefeito (preso em flagrante em Curitiba), foi decretada a prisão temporária de um de seus filhos e de um empresário (“laranja”). Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos na Prefeitura de Prudentópolis (setor de licitações, compras e finanças), na casa do filho do prefeito (onde também reside o gestor municipal) e nas residências de dois empresários e de dois vereadores da cidade, além de outros locais. Foram apreendidos documentos, armas e R$ 69 mil, na casa onde vivem o prefeito e seu filho, além de R$ 11 mil, na residência de outro filho do prefeito.

O Juízo da Vara Criminal de Prudentópolis decretou, ainda, o afastamento de nove servidores públicos, dentre eles secretários municipais e diretores da Prefeitura.

A prefeitura ainda não se manifestou sobre a prisão.