Após um vereador de Palmeira, na região dos Campos Gerais, ir à imprensa para denunciar uma suposta contaminação por “defuntos” na água do município, o prefeito Edir Havrechaki (PSC) ameaçou privatizar o sistema de água. Em entrevista à Folha de Palmeira, ele confirmou que negocia com a presidência da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) para solução de curto prazo do problema de abastecimento de água, que tem afetado milhares de moradores há vários anos.

“Não aceitamos a imposição contratual da Sanepar, que possui cláusulas que lesam os interesses e direitos do município, aproveitando-se de uma situação desigual entre os pactuantes”, disse Havrechaki.

Segundo o prefeito, estão sendo realizados estudos de viabilidade técnica, econômica e legal, para, no caso de não haver acordo com a empresa estatal, iniciar um processo de licitação para contratar ou conceder a uma empresa privada a exploração dos serviços de captação, tratamento, abastecimento da água e rede de esgoto na área urbana de Palmeira. “Se a Sanepar insistir no seu ‘contrato padrão’ sem investir na melhoria do sistema vamos partir para a privatização de todo o sistema, pois em primeiro lugar está a saúde do nosso povo, o respeito aos consumidores e, acima de tudo, maior consideração com Palmeira”, afirmou.

Denúncia

A polêmica foi levantada pelo vereador Inácio Budziak (PDT) que, em um vídeo publicado no Youtube, mostra restos mortais à beira do manancial de captação da água. Após o episódio, os moradores demonstraram medo de consumir a água das torneiras. Após a denúncia, a companhia garantiu não haver contaminação no Rio Pugas.

A Banda B entrou em contato com a Sanepar, que informou que ainda não foi comunicada desse pronunciamento do prefeito e que irá verificar a situação, entrando em contato na sequência.