Após jantar em uma churrascaria na capital federal acompanhado de ministros e embaixadores e representantes de 27 países, o presidente Michel Temer afirmou na noite deste domingo, 19, que a mensagem que quis passar foi a de que não há motivos para causar terror sobre a qualidade da carne brasileira Temer disse ainda não ter visto excessos da Polícia Federal na Operação Carne Fraca, deflagrada na última sexta-feira, 17, para investigar fraude na fiscalização de frigoríficos brasileiros.

Para o presidente Michel Temer, as empresas flagradas no esquema de “maquiagem” de carne estragada é um “mínimo” diante do total de plantas frigoríficas do país – Foto: José Cruz/Agência Brasil

Em rápida entrevista após participar de um rodízio na churrascaria, Temer afirmou que 33 fiscais sanitários estão envolvidos em irregularidades, de um total de quase 12 mil servidores do Ministério da Agricultura. Além disso, citou, dos cerca de 4.830 frigoríficos existentes no País, 21 são investigados e três foram inabilitados. “Então, não é para causar um terror – que hoje está possivelmente se imaginando que possa causar – em relação ao exterior”, afirmou.

Temer também rebateu críticas de integrantes da bancada ruralista no Congresso e de empresários de que a Polícia Federal cometeu excessos na Operação Carne Fraca. “Não (houve excessos). Houve uma integração do Ministério da Agricultura e da Polícia Federal”, declarou, sem responder outros questionamentos da imprensa.