Por Felipe Ribeiro e Luiz Henrique de Oliveira

Reprodução Agência Brasil

Marcado para o próximo dia 3 de maio, o primeiro encontro entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o juiz Sérgio Moro promete ser marcado por atos e manifestações em Curitiba. De um lado, militantes ligados ao Partido dos Trabalhadores (PT) mobilizam caravanas de todo o país para um ato de apoio ao ex-presidente. De outro, estão os movimentos que participaram diretamente dos pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff, que agora pedem a prisão de Lula.

Nos bastidores, o embate já começou. Sérgio Moro determinou que Lula compareça a todas 87 audiências para “prevenir a insistência na oitiva de testemunhas irrelevantes”. Para a defesa de Lula, a decisão de Moro é arbitrária porque a presença do acusado é facultativa e não obrigatória nas audiências de processos criminais.

Foto: Reprodução Agência Senado/Instituto Lula

De acordo com Narli Resende, do Movimento Contra Corrupção, a prisão de Lula seria um marco de fim da impunidade. “Todos são iguais perante a lei. Ele precisa ser ouvido e, se culpado, condenado. Se todos os fatos se confirmarem eu estou torcendo para que ele seja preso”, disse.

Para a presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Regina Cruz, o Brasil vive um “estado de golpe” e o ato em defesa de Lula promete defender também a democracia. “Depois que a presidente Dilma foi deposta, a classe trabalhadora só tem recebido perda de direitos, como a reforma trabalhista e da Previdência. Não há provas contra o presidente Lula a menos que o Sérgio Moro plante”, afirmou.

Manifestações

Até o momento, não há qualquer definição sobre esquema de segurança para o próximo dia 3. Segundo a Polícia Militar, ainda restam várias definições de outros órgãos para aí sim se definir se algo especial será feito.

Narli explica que o Movimento Contra a Corrupção também aguarda essas definições. “Estamos aguardando uma onda verde e amarela. Todo mundo que nos procura, temos orientado locais próximos a Praça da Justiça. Mas é certo que vamos cumprir todos os requisitos estabelecidos pela polícia”, garantiu.

O ato de apoio a Lula, porém, já tem local marcado pelos manifestantes: a Boca Maldita. “Somos todos donos da bandeira verde e amarela e ela estará presente, assim como o vermelho dos movimentos sociais. Queremos esses grandes atos contra e a favor até para reforçar nossa democracia”, concluiu.

Na próxima semana, órgãos de segurança devem começar a definir as definições das manifestações.