Redação com G1

Pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (5) aponta que Marina Silva (PSB) tem 34% das intenções de voto, Dilma Rousseff (PT), 28%, e Aécio Neves (PSDB), 22%, entre os eleitores do Paraná na corrida para a Presidência da República. Eduardo Jorge (PV) e Pastor Everaldo (PSC) têm 1% cada. Os outros seis candidatos somados chegam a 2%.
A pesquisa foi encomendada pela RPC TV.

Esta é segunda pesquisa de intenção de voto feita pelo instituto no Paraná sobre a eleição nacional, após o registro das candidaturas. No levantamento anterior do instituto, divulgado no dia 26 de agosto, Marina Silva tinha 29%, Dilma Rousseff, 28%, Aécio Neves, 24%, Pastor Everaldo, 2%, e Eduardo Jorge, 1%. Entre uma pesquisa e outra, a taxa de indecisos passou de 8% para 7%, e a de quem pretende votar em branco ou nulo se passou de 8% para 5%.
Veja os números do Ibope para a pesquisa estimulada (em que a relação dos candidatos é apresentada ao entrevistado) apenas no estado do Paraná:

– Marina Silva (PSB): 34% das intenções de voto
– Dilma Rousseff (PT): 28%
– Aécio Neves (PSDB): 22%
– Eduardo Jorge (PV): 1%
– Pastor Everaldo (PSC): 1%
– Eymael (PSDC): 0%*
– Levy Fidelix (PRTB): 0%*
– Luciana Genro (PSOL): 0%*
– Mauro Iasi (PCB): 0%*
– Rui Costa Pimenta (PCO): 0%*
– Zé Maria (PSTU): 0%*
– Brancos/nulos: 5%
– Não sabe/não respondeu: 7%
* Cada um dos seis indicados com 0% não atingiu 1% das intenções de voto; somados, eles têm 2%

A pesquisa foi realizada entre os dias 1º a 3 de setembro. Foram entrevistados 1.008 eleitores em 58 municípios do estado. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) sob o número 00029/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR- 00523/2014.

Notícia Relacionada:

Pesquisa Ibope aponta Beto Richa na frente, mas não descarta segundo turno