Em entrevista ao colunista Aroldo Murá, do IC News, o deputado estadual Luiz Carlos Martins (PSD) defendeu uma nova proposta para resolver o impasse do transporte integrado entre Curitiba e 13 municípios da Região Metropolitana. De acordo com Martins, para manter o subsídio de R$ 63,4 milhões a partir do dia 7 de maios, quando termina o convênio entre governo e prefeitura, o governador Beto Richa deveria estabelecer contrapartidas bem claras pela prefeitura de Curitiba. “A passagem, hoje de R$ 2,85, deveria voltar a custar R$ 2,80 e caberia à prefeitura também garantir o retorno da tarifa domingueira (hoje de R$ 1,50) ao valor antigo de R$ 1,00”, propôs Martins em entrevista a Aroldo Murá.

A mesma proposta foi defendida por Martins nesta sexta-feira (3), durante seu programa diário na Rádio Banda B. “A questão do subsídio das tarifas do transporte público está sendo tratada com luva de pelica, pelo Governo do Estado e pela Prefeitura. Mas não deve ser assim, a questão envolve, de imediato, a população de Curitiba e da Região Metropolitana de Curitiba, interessa, pois, a milhões , a maioria trabalhadores”, afirmou o deputado.

O deputado estadual, que é da base aliada do governador Beto Richa na Assembleia, não tem meias palavras quando analisa o tema: “Acho que o governador tem de agir, com a segurança que o caracteriza, mantendo o subsídio e assim beneficiando a enorme massa trabalhadora que paga pelo transporte público. Assim como acho que o prefeito Gustavo Fruet terá de fazer sua parte, sem firulas políticas e sem assumir ares de vítima, ou que esteja sendo objeto de perseguição política”, assinalou o parlamentar.

E, usando uma antiga imagem popular, sobre dois desafetos puxando as pontas de uma corda a seu favor, Luiz concluiu: “Quando um não quer, os dois não brigam”, finaliza Martins na coluna de Murá.

Para ler a coluna de Aroldo Murá, clique aqui