Redação

A cerveja deve ou não ser liberada nos estádios?

Você é contra ou a favor da liberação da venda de cerveja em jogos oficiais de futebol? Banida dos estádios desde 2008, a bebida pode voltar a aparecer nas partidas disputadas no Paraná. É que agora em fevereiro, o deputado estadual Luiz Claudio Romanelli (PSB) deve apresentar um projeto de lei que regulariza a venda de cerveja em estádios de futebol no estado. O objetivo é que a venda seja liberada, mas também regulamentada.

De acordo com Romanelli, é uma hipocrisia permitir a venda nos entornos do estádio antes e depois das partida e proibir dentro do estádio. “Nos outros eventos em estádios, como shows, UFC, e partidas de vôlei, a cerveja é comercializada normalmente e nem por isso acontece algo irregular”, disse o líder do governo.

No amistoso entre o Atlético-PR e o Peñarol na quarta-feira (25), a venda da cerveja foi liberada por não se tratar de um jogo oficial.

Para o deputado, a bebida não é a responsável pelos casos de violência do futebol, além de prejudicar o entretenimento dos torcedores e os comerciantes dos estádios. “O que temos que explicar é que, segundo pesquisas, a venda e consumo de cerveja não são a causa da violência praticada nos estádios. É uma bebida vendida no mundo inteiro. Inclusive em países onde as torcidas de futebol são mais violentas do que as daqui e nem por isso a venda foi proibida”, explicou em entrevista à Gazeta do Povo.

Contrários

O projeto polêmico vai sofrer resistências. O delegado Clóvis Galvão, da Demafe (Delegacia de Futebol e Eventos), se declara totalmente contrário à liberação e diz que tem números que comprovam que desde que a cerveja foi banida dos jogos de futebol os atos de violência caíram em 45%. A mesma posição tem o Ministério Público do Paraná que também já se posiciona de forma contrária à possibilidade, por entender que a liberação da cerveja nos estádios é um facilitador dos atos de violência.