da Redação

O prefeito de Rio Branco do Sul, Cezar Gibran Johnsson (PSC), teve o mandato cassado nesta quarta-feira (20). A Justiça pediu o afastamento imediato de Johnsson. Ele substituiu o próprio pai, na última hora, no dia 6 de outubro, véspera das eleições municipais, o prefeito Amauri Cezar Johnsson (PSC), que estava barrado pela Lei da Ficha Limpa.

Pela lei eleitoral, é possível fazer a substituição nas vésperas da eleição, desde que o fato seja amplamente divulgado. O problema é que, no entender na justiça, pai e filho teriam usado as redes sociais para desmentir a troca o que seria um “estelionato eleitoral”.

Em seu perfil na rede social Facebook, Johnsson (o filho) informou que vai recorrer da decisão e vai entrar com uma liminar para continuar no cargo.“Lamentavelmente o Juiz da comarca Marcelo Augusto Teixeira acabou de decidir o novo processo eleitoral cassando o meu diploma e pediu o meu afastamento imediato do cargo de prefeito. Por esse motivo quero informar aos meus amigos a respeito dessa decisão, justamente para alertar a todos a respeito do ocorrido e do que vai acontecer. Eu e meus advogados estamos providenciando neste momento uma medida LIMINAR para garantir que me mantenha no cargo. A publicação da decisão local deve sair amanhã ou no máximo até sexta feira e ANTES disso preciso conseguir a LIMINAR em Curitiba junto ao TRE/PR, e caso não consiga a liminar tenho que me afastar e quem deve assumir é o 2º colocado que pediu a minha cassação. Não concordo com essa decisão totalmente equivocada e por isso não tenho dúvida que vou conseguir vencer e com a ajuda divina vou dar a volta por cima. Um abraço a todos e vamos aguardar a decisão do Tribunal Regional do Estado do Paraná”, diz.

Caso a cassação de Johnsson se confirme em instâncias superiores, assumirá a prefeitura de Rio Branco do Sul Valdemar José Castro (PSDB) e seu vice, Clayton Costa Rosa (PSDB).