Por Elizangela Jubanski e Djalma Malaquias

Everton é primo de Erivaldo e foi preso um dia depois, em uma abordagem no bairro Boa Vista. Foto: Polícia Civil

A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) está à procura do homem que atirou por engano em duas pessoas durante uma confraternização no Bairro Alto, em Curitiba. Erivaldo Alves de Lima chegou a se apresentar dias após o crime na delegacia, mas foi solto por não haver mandado de prisão expedido pela Justiça. As vítimas foram internadas em situação grave e a criança – atingida na nuca – segue com risco pode perder os movimentos das pernas. Everton Fernandes de Sales, 24 anos, suspeito de ajudar o primo na fuga foi preso um dia depois. A motivação do crime foi uma dívida de R$ 1,5 mil.

Erivaldo está sendo procurado. Foto: PC

A delegada da DHPP que comanda as investigações Sabrina Alexandrino garantiu que os envolvidos estão identificados. “O caso está esclarecido e os suspeitos estão identificados por testemunhas que presenciaram o crime. O que nos falta no momento é prender o último envolvido, que foi o executor do crime. Realizamos várias diligências e contamos com a população para encontrá-lo”, disse, em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira (21).

O crime ocorreu no dia 26 de fevereiro, um domingo à tarde. Erivaldo invadiu uma casa, onde acontecia um almoço em família, na Rua Rio Murici, e efetuou diversos disparos de arma de fogo. O alvo dele seria outro homem, identificado como Paulo, que estaria cobrando uma dívida referente a um carro.

Para a polícia, a motivação do crime está esclarecida – uma dívida de R$ 1,5 mil. “Erivaldo devia para Paulo e isso gerou uma discussão em frente a casa de Paulo, que culminou em uma lita corporal entre os dois. O primo do Erivaldo se intrometeu na briga para apartar, segundo ele. Depois, o Erivaldo jurou que voltaria para matar Paulo por causa da luta corporal que os dois tiveram”, detalhou Sabrina.

Cumprindo a promessa, o devedor voltou até o local, armado. “Mas em frente da casa havia outras pessoas, além de Paulo. Tomado pela ira, ele atirou contra as pessoas que estavam lá sem a menor cautela e acabou que não atingiu o Paulo, mas uma criança na nuca e um outro homem”, contou.

As duas vítimas baleadas foram internadas em unidades de terapia intensiva em hospitais da Grande Curitiba. O caso mais grave é o da criança de 7 anos, que está em estado de tetraplegia e respira com ajuda de aparelhos.

A advogada de Erivaldo entrou em contato com a Polícia Civil. “Ela contou que não há qualquer possibilidade de ele se entregar, que inclusive estava pensando em sair do estado do Paraná”, disse a delegada.

Mensagem enviada pelo atirador depois da briga. Foto: Banda B

Confessou

Erivaldo chegou a se apresentar na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) quatro dias após o crime. Ele chegou acompanhado de seu advogado e confessou o crime. Por não estar em flagrante, porém, acabou liberado após o interrogatório. “Liberamo porque não havia mais flagrante delito, e ele precisou ser solto. Agora, foi solicitada a prisão dele e vamos prendê-lo”, finalizou a delegada. A arma usada no crime não foi encontrada pela polícia, e o suspeito disse à polícia que a abandonou em um matagal.

Paradeiro

Quem tiver informações sobre o paradeiro de Erivaldo Alves de Lima pode ligar à DHPP por meio do telefone: 0800-6431-121.

Notícias relacionadas:

“Um minuto mudaria tudo”, diz pai de menino baleado por engano em confraternização; criança está na UTI

Homem armado invade confraternização e atira contra família; lutador de MMA e menino de oito anos são atingidos

Preso suspeito de ajudar atirador que errou alvo e baleou lutador de MMA e criança de 8 anos durante festa no Bairro Alto