O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, coordenador do grupo de prefeitos das cidades sedes da Copa, vai sugerir na reunião com a Presidenta Dilma Rousseff, na tarde desta segunda-feira (24), que todas as cidades da Copa reduzam significativamente os recursos com publicidade para Copa do Mundo de 2014, para ajudar na redução das tarifas do transporte coletivo, como já foi feito em Curitiba.

Gustavo também defende que o governo federal reveja algumas das concessões feitas à Fifa, que, na opinião do prefeito, precisa ter sensibilidade e reconhecer que os brasileiros vocalizam nas ruas uma forte discordância com o padrão de gastos em torno da Copa.

IPI

Na rediscussão nacional do transporte público, diz o prefeito curitibano, a simples redução fiscal pode ser uma armadilha, pois tende a limitar o problema apenas a redução de tarifas. “Desta forma, estaríamos perdendo a oportunidade para discutir fontes para financiamento permanente e investimentos na melhora da qualidade”.

Gustavo Fruet propõe que a presidente reconsidere a isenção do IPI dos automóveis e redirecione essa receita, beneficiando o transporte coletivo.

A terceira sugestão de Curitiba na reunião em Brasília será o uso do ISS, nas cidades, para subsidiar a tarifa. “Em Curitiba, estamos usando três fontes para reduzir a tarifa. O ISS, recursos revolvidos pela Câmara Municipal e cortando gastos com publicidade da Copa”, explica o prefeito.

Poderes

Politicamente, a crise deflagrada pelos protestos em todo o País, avalia o prefeito curitibano, exige medidas fortes dos três Poderes da República. O Congresso, disse Fruet, que assinou a petição pelo arquivamento da PEC 37, deve à sociedade uma resposta contra a limitação das atribuições do Ministério Público.

O Judiciário precisa ponderar se seus próprios ritos são mais importantes que as definições que a sociedade espera pelo fim da impunidade.

A presidente Dilma, por sua vez, pode renegociar os compromissos com a Fifa, readequando a Copa do Mundo à realidade do País.

“Sem respostas dos três Poderes da República, os protestos que explodem em todo o país têm somente respostas das agendas locais, que não são suficientes para pacificar as massas, que se mobilizam motivadas por um sentimento de cidadania, mais que por reivindicações pontuais”, avalia Fruet.

Chuvas

O prefeito de Curitiba vai aproveitar ainda o encontro com a presidente Dilma para tratar da questão das chuvas, que atingiram a capital paranaense nos últimos dias, deixando famílias desabrigadas. “Quero aproveitar a oportunidade para tratar deste tema local. Neste momento precisamos de toda ajuda para ajudar as famílias atingidas”.

Em menos de 2 dias da semana passada, foi registrado em Curitiba o segundo maior volume de chuvas dos últimos 20 anos para esta época do ano.