Da Redação com Portal da Band

Candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro (PSC) teve queda de pressão, passou mal e precisou deixar o debate da Band nesta quinta-feira (25). Por recomendação médica, ele não retornou ao debate. Flávio foi levado ao hospital para a realização de exames e, segundo informações, já foi liberado e passa bem.

Durante o ocorrido, o candidato foi amparado pelos colegas Carlos Roberto Osorio (PSDB) e Jandira Feghali (PCdoB), esta última médica por formação. Na volta da transmissão do debate – que entrou em intervalo devido ao fato – a candidata disse que foi maltratada pelo pai de Flávio, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

“Queria denunciar o que aconteceu; fui atender o Flávio Bolsonaro, que estava passando mal, e o pai dele disse que não precisava dos meus cuidados. Queria dizer que a solidariedade não faz parte desse grupo fascista”.

“[Vindo de] quem protege torturador e quem é réu por [incitação ao] estupro no Supremo [Tribunal Federal], não é nenhuma surpresa essa atitude”, completou.

Ao dizer isso, Jandira começou a ser vaiada e reagiu. “Vocês só sabem vaiar. O preconceito também está na vaia. É fácil vaiar uma mulher tímida, mas no meu caso não impacta”, disse ainda.

Tuíte antigo

Durante o episódio, Flávio Bolsonaro teve um tuíte antigo divulgado na internet. Na publicação de 2014, ele havia debochado de Dilma Rousseff (PT) que também teve um mal-estar durante o debate com o então concorrente, Aécio Neves (PSDB), na disputa pela Presidência. “Dilma está levando uma surra moral de Aécio no debate, sua única saída será desmaiar”, postou o político, na época.

Assista ao vídeo no player abaixo: