Redação

A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) comemorou na noite desta segunda-feira (19), com uma solenidade em Curitiba, os seus 69 anos de fundação. A celebração, que contou com a presença de lideranças empresariais e políticas de todo o Estado, foi marcada por homenagens a empresários e personalidades que contribuem ou contribuíram com o crescimento industrial paranaense.

fiep 69 anos

Foto: Mauro Frasson/Fiep

O presidente da Fiep, Edson Campagnolo, destacou o papel da Fiep, em seus 69 anos de atuação, na defesa dos interesses da indústria paranaense e na busca pelo desenvolvimento econômico e social do Estado. “É muito agradável saber que esta casa, carregada de valores e de ética, tem sido objeto de um olhar diferenciado”, afirmou. “Nosso Sistema S, com suas ações, é maravilhoso. E isso é fruto dos senhores industriais e empresários que contribuem com ele”, acrescentou.

Campagnolo também lembrou que é missão da Fiep se posicionar em relação a temas que interferem diretamente no desempenho do setor produtivo. É o caso da busca por melhorias na infraestrutura de transportes do Estado. “Regiões mais próximas de Curitiba têm atraído mais investimentos, ao contrário de outras regiões, que não têm a mesma condição de infraestrutura. É por isso, por exemplo, que a Fiep trabalhou fortemente pelo projeto da ferrovia Maracaju-Paranaguá”, disse, referindo-se à obra que deve ser licitada pelo governo federal ainda este ano.

“Também é por isso que nos posicionamos em relação ao pedágio. Não somos contra, mas precisamos de mais informações e transparência nos contratos. É preciso que haja bom senso para que esses contratos sejam renegociados e seja cobrado um valor justo para a produção do Paraná”, completou.

Veto

O presidente da Fiep também fez um apelo aos parlamentares presentes à solenidade para que derrubem o veto do governo federal ao projeto que acaba com a contribuição adicional de 10% nas multas do FGTS. Veto que deve ser analisado pelo Congresso Nacional nesta terça-feira (20). “O setor produtivo julga que esse dinheiro adicional já cumpriu seu objetivo. Reivindico aos nossos deputados aqui presentes a derrubada deste veto”, declarou Campagnolo.

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann era esperada para o evento, mas não pode comparecer. Participaram também da solenidade os deputados federais André Vargas, Edmar Arruda e Marcelo Almeira, além do senador Sergio Souza e secretários estaduais.

O senador Sergio Souza afirmou que é papel do Congresso dar respostas aos anseios da população, principalmente após a recente onda de manifestações ocorrida no Brasil. Souza defendeu a adoção de medidas que tornem mais dinâmico o ambiente de negócios brasileiro. “Evoluímos enormemente nas últimas décadas, mas perdemos velocidade em questões como a transparência, a diminuição da carga tributária, a utilização dos modais de transportes e o excesso de burocracia”, disse. “Temos responsabilidade de fazer um país mais justo, voltado para a sociedade, e só podemos fazer isso se olhamos as necessidades de nosso povo”, completou o senador.