Por Marina Sequinel e Antônio Nascimento

Cerimônia de diplomação aconteceu na tarde desta segunda-feira. (Foto: Reprodução/Facebook)

O prefeito eleito de Curitiba Rafael Greca (PMN) recebeu, na tarde desta segunda-feira (19), no Teatro Positivo, o diploma que certifica os votos das eleições de outubro. No evento, onde compareceram também os vereadores que assumem o cargo no próximo ano, o futuro gestor da capital afirmou que “enquanto a saúde correr riscos, não haverá música”.

A declaração faz alusão à polêmica que envolve a 35º Oficina de Música do município. No dia 1º de dezembro, Greca pediu a suspensão do evento, que estava marcado para ocorrer entre 7 e 29 de janeiro de 2017.

Na ocasião, ele disse que a estimativa extraoficial para a realização da oficina é de aproximadamente R$ 1,7 milhão. “Enquanto a saúde correr riscos, não haverá música”, limitou-se a dizer o prefeito ao ser questionado sobre o caso nesta tarde.

Segundo Greca, a partir do ano que vem, nove secretarias serão cortadas da administração. “Elas serão reorganizadas, a princípio por decreto, e depois por projeto de lei. Teremos uma estrutura menor, com menos cargos comissionados, motoristas e mordomos, de maneira que todos trabalhem com mais vontade. O regulador do serviço será o prefeito, eu estarei na rua para essa fiscalização”, completou.

Durante a entrevista coletiva, ele também falou sobre a escolha do filho do governador Beto Richa (PSDB), Marcello Richa, para ficar à frente da Secretaria Municipal de Esporte. “A trajetória técnica dele, com a coordenação do programa Comunidade Escola, me fez tomar essa decisão. Ele foi o companheiro indicado pelo PSDB. Sobre isso, é claro que tem relação política, ela é parte do convívio com a cidade”.

O novo secretariado será lançado na sede do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (IPPUC) na manhã de quarta-feira (21). “As questões atuais pertencem ao prefeito e as futuras a mim. A transição é sôfrega, mas, em pouco tempo, nada nos será estranho em Curitiba”, concluiu.