Redação

debate3

Nove candidatos participaram do primeiro debate na TV Bandeirantes – Foto: Divulgação

[jwplayer mediaid=”211216″]

Os nove candidatos à prefeitura de Curitiba participaram do primeiro debate desta eleição, promovido pela TV Bandeirantes, com transmissão simultânea da Rádio Banda B. O encontro, que começou “morno” esquentou a partir do segundo bloco quando os concorrentes promoveram ataques entre si. A maior parte das “farpas” foi em relação as alianças montadas para a disputa e a relação dos candidatos com envolvidos na operação Lava Jato. Poucas propostas foram apresentadas.

Estiveram presentes os candidatos Ademar Pereira (PROS), Afonso Rangel (PRP), Gustavo Fruet (PDT), Maria Victoria (PP), Ney Leprevost (PSD), Rafael Greca (PMN), Requião Filho (PMDB), Tadeu Veneri (PT) e Xênia Mello (PSOL).

Os candidatos questionaram uns aos outros sobre temas livres. O debate foi mediado pelo apresentador da emissora. Os temas mais recorrentes foram saúde, educação, orçamento e transporte público.

O debate começou com o candidato Ney Leprevost questionando Gustavo Fruet a respeito da dívida do município. O candidato e atual prefeito de Curitiba alegou que a dívida se refere ao acúmulo de gestões anteriores e que a dívida não chega a 12% da capacidade de endividamento da cidade de Curitiba.

Por sua vez, Fruet questionou quais serão os investimentos estimados pela candidata Maria Victória para a educação. Ela alegou que estima alcançar o número de 30% e, dessa forma, abrir nove mil vagas e manter o projeto do CMEI família, como um cuidado da própria família.

Quando questionado quanto a educação tecnológica pela candidata Maria Vitória, o candidato Ademar Pereira afirmou que o ensino das escolas públicas precisa ser equiparado ao das escolas particulares para que os jovens tenham as mesmas oportunidades no futuro.

Fruet também buscou vincular o candidato do PMN, Rafael Greca, ao governador Beto Richa (PSDB) e ao ex-prefeito Luciano Ducci (PSB). Greca usou seu tempo de resposta para dizer que não fala erros e acertos dos outros e procurou lembrar das obras que fez quando prefeito, além de criticar a atual administração pela falta de realizações.

Requião Filho falou sobre vários temas, como a segurança pública e o transporte. Para ele, é preciso melhorar a estrutura da cidade para garantir que as próximas gerações se sintam seguras em todos os bairros.

Já a candidata Xênia Mello não focou suas críticas apenas ao atual prefeito, atirando em todos os adversários a ponto de gerar pedido de direito de respostas de sete dos outros oito participantes do debate quando declarou ser a única candidata que não estava envolvida na Lava Jato, por conta dos partidos a que seus adversários disputam a eleição serem citados nas investigações da Polícia Federal. O direito de resposta veio no início do segundo bloco com todos negando qualquer envolvimento com as denúncias.

Tadeu Veneri falou sobre tentar acabar com a cultura de ódio na cidade. Relembrou o ataque feito contra a atriz Letícia Sabatella, durante um protesto na cidade. Ele também disse que pretende criar uma cidade boa para todos e não apenas para moradores de determinados locais.

Afonso Rangel fez críticas à atual administração e reclamou do pouco tempo destinado a ele durante a campanha. Rangel disse que quer fazer uma gestão enxuta e eficiente, para modernizar a cidade.

Ouça abaixo a reportagem feita pela Rádio Banda B sobre o debate, com os principais trechos do que foi dito pelos participantes: