O ex-prefeito Luciano Ducci (PSB) voltou a questionar seu sucessor. Ele quer saber quando o prefeito Gustavo Fruet (PDT), agora que está devidamente calçado pelo subsídio do governo do Estado para o transporte coletivo, vai reverter o aumento “brutal” de 50% que aplicou na tarifa domingueira (que custava R$ 1,00 e passou para R$ 1,50).

Ducci destacou a importância social da domingueira, criada pelo então prefeito Beto Richa (PSDB) em 2005, que foi mantida durante seu governo. “Ela permitia que o cidadão de baixa renda pudesse usufruir um lazer de qualidade sem pesar no bolso. A domingueira possibilitou que as pessoas humildes pudessem frequentar, com um custo muito baixo, com suas famílias, todos os parques de Curitiba”, destacou. Só no ano passado, 24,2 milhões de passageiros usaram a domingueira.

“Quando eu vi a rapidez com que o novo prefeito acabou com a domingueira e ausência de qualquer movimentação para reverter o aumento depois de resolvida a questão do subsídio, me pergunto se não são verdadeiros os comentários que escuto”, questionou Ducci.

“Esses comentários sugerem que uma ala ‘socialite’ dos ‘socialistas’ que gravitam na atual administração se sentia incomodada com a presença de pessoas simples em parques e logradouros mais sofisticados, que a domingueira tornou possível”, disse Ducci. “Uma forma de o prefeito demonstrar que não pretende estimular a volta desse ‘apartheid’ social é baixar o preço da domingueira”, concluiu. Em 2012, foram 450 mil passageiros por domingo, movimento que deve cair bruscamente se o atual prefeito não agir de imediato.