da Agência Brasil e Estadão

senado29

Dilma fala aos senadores nesta segunda-feira – Foto: EBC

A presidenta afastada Dilma Rousseff vai hoje (29) ao Senado se defender das acusações de ter cometido crime de responsabilidade em 2015. Ela responde ao processo de impeachment, sob a alegação de ter editado em 2015 decretos de crédito suplementar sem autorização do Congresso e também de usar dinheiro de bancos federais em programas do Tesouro [as chamadas pedaladas fiscais]. A petista foi afastada da presidência da República pelo Senado há mais de 100 dias.

Na última semana, o Senado ouviu os depoimentos das testemunhas de defesa e de acusação na quinta (25), sexta (26) e sábado (27). Dilma começa a falar às 9h. Inicialmente, terá 30 minutos para a apresentação, mas esse tempo poderá ser prorrogado por mais 30 minutos. A critério do presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que comanda o julgamento do impeachment, a presidenta afastada poderá ter mais tempo na fase inicial.

Depois da fala de Dilma, terão início os questionamentos dos senadores. Cada parlamentar terá até cinco minutos para fazer perguntas. O tempo de resposta de Dilma é livre e não será permitida réplica e tréplica. Dilma também poderá deixar de responder às indagações dos parlamentares. Mais da metade dos 81 senadores já se inscreveram para questionar Dilma Rousseff.

O depoimento de Dilma será acompanhado no plenário por cerca de 30 convidados dela. Entre eles estão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente do PT, Rui Falcão, do PDT, Carlos Lupi, vários ex-ministros do governo, além de assessores e outras pessoas próximas. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), colocou à disposição da acusação de Dilma o mesmo número de cadeiras que disponibilizou para a petista.

A expectativa é de que a o depoimento dure todo o dia e se estenda até parte da noite. Os senadores que apoiam o impeachment garantem que não haverá enfrentamentos, mas que irão fazer todos os questionamentos. Eles entendem que o comparecimento da presidenta afastada ao plenário não mudará os votos dos senadores.

Os parlamentares contrários ao impeachment, no entanto, acreditam que a fala dela vai mudar votos. O senador Lindberg Farias (PT-RJ) disse que os aliados de Dilma estão depositando todas as esperanças no depoimento. “Acho que vai ser um dia em que o Brasil vai parar. Acho que a presidenta pode mostrar ao país que está sendo vítima de uma injustiça e que não há crime de responsabilidade. Acho que é um dia que pode virar o jogo”, afirmou.

Contundente

Para Lindbergh Farias (PT-RJ), a fala de Dilma será “contundente” e vai representar “o ponto da virada” no processo. Ele acredita que o discurso terá forte impacto na sociedade, o que deve repercutir no Senado. “A sessão de amanhã (segunda-feira) vai ser muito tensa, é um momento muito dramático para o Brasil(…) Amanhã (segunda-feira) as pessoas vão entender a Dilma como vítima de um golpe político.”

O senador considera que bastariam seis votos de indecisos para Dilma reverter a situação e convencer ainda mais parlamentares a votarem contra o impeachment. “Se têm seis, a turma vai, caso contrário é difícil”, disse. Lidice da Mata afirmou que tem muita esperança de reverter esses votos. “Será a extraordinária a presença de Dilma. Muitos acharam que ela não viria, mas ela demonstrará coragem até o último momento para enfrentar as dificuldades e a trama que se colocou contra ela”, disse a senadora.

Segundo Paim, Dilma vai mostrar indicadores dos últimos 13 anos em que os petistas estiveram no poder e compará-los com gestões anteriores. “Eles (governistas) sempre falam que o PT quebrou o País, vamos mostrar o contrário.” Paim afirmou que cedeu a sua vaga de primeiro inscrito do dia para a senadora Katia Abreu porque, entre outras coisas, ela vai falar sobre os avanços do governo Dilma na área da agricultura, pasta que já foi comandada pela senadora. Para Lindbergh Farias, a escolha da senadora é simbólica não só pelo fato de ela ser ex-ministra da presidente, como também por ser mulher.

Os senadores também estão dialogando com aliados de Temer para inverter a ordem dos discursos e intercalar a fala de quem é contra e a favor do impeachment. Segundo Vanessa, os parlamentares ainda estão negociando para tentar modificar ao menos o início da lista de inscrição, que considera estar muito desigual. “Não é para evitar o embate, e sim para equilibrar o jogo. Se não é bom para nós, também não é bom para eles. Já levamos essa proposta, estamos dialogando desde ontem”, contou.

Lindbergh considera que o principal destaque do interrogatório será o “rali de perguntas dos senadores”, que terão cinco minutos cada para questionar Dilma. “Eu quero ver o que o Aécio Neves vai perguntar para ela”, provocou, citando a última disputa presidencial entre o tucano e a petista. Sobre a possível abstenção do PMDB, que deve evitar fazer perguntas por ter participado do governo, o petista classificou como “absurdo e desmoralizante”.