Da Redação

Em decisão unânime, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), decidiu pelo afastamento do cargo de desembargador do ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, Clayton Camargo. Ele não poderá exercer a função, mas terá o subsídio mantido.

clayton-camargo-081013-bandab

(Foto: Divulgação)

O afastamento tem como objetivo apurar supostas irregularidades cometidas por Camargo. Com os votos dos 15 conselheiros, que seguiram o entendimento do corregedor do CNJ, Francisco Falcão, a decisão conduziu uma investigação preliminar e concluiu haver “fortes indícios” de irregularidades na conduta de Camargo.

Os indícios mencionados contra o desembargador são de uma suposta variação patrimonial incompatível com os rendimentos de Camargo, que incluiria transações suspeitas de dois imóveis e de um veículo. Foram apontadas também irregularidade presentes em 3 inquéritos que tramitam no STJ, com suposição de crimes como tráfico de influência e venda de sentença.

O julgamento ocorreu um dia após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) José Antonio Dias Toffoli negar pedido de liminar apresentado pelo desembargador para impedir a inclusão do processo na pauta do CNJ.