Da Redação

Os deputados estaduais Ney Leprevost (PSD) e Tadeu Veneri (PT) entraram com ações judiciais contra o aumento de R$ 0,55 na passagem de ônibus. As medidas foram tomadas um dia após o reajuste na tarifa, que começou a valer nesta segunda-feira (6). Ambos os deputados foram candidatos a prefeito nas eleições de 2016.

Foto: Reprodução Alep

Pelo Facebook, Leprevost anunciou que faria, ainda nesta terça-feira (7), no Ministério Público do Paraná (MP-PR), um pedido de averiguação sobre os reais motivos que teriam a prefeitura a adotar a tarifa de R$ 4,25. “Considerada a mais alta dentre as capitais, a nova tarifa de ônibus é desumana para os mais pobres e transforma-se em convite ao desemprego do ponto de vista dos empresários que continuam tendo a responsabilidade de arcar com o vale transporte para os que servem suas empresas”, disse o deputado do PSD.

Já Veneri entrou com ação popular na 3ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba com pedido de tutela antecipada para revogar o decreto que reajustou em 14,9% a tarifa. Um dos argumentos da ação, segundo o petista, é o princípio constitucional da razoabilidade tendo em vista que a correção da tarifa supera a inflação anual de 6,5%. “Aumentar a passagem de ônibus gera reflexo não só para o usuário como para toda a população, pois de forma reflexa todos são afetados por esse aumento. A atual crise econômica e o nível de desemprego indicam que o presente aumento das tarifas, ao diminuir a renda disponível do trabalhador para o consumo e aumentar o custo das empresas, pode gerar ainda mais desemprego e recessão”, disse .

Após o anúncio, feito na última sexta-feira (3), o reajuste para R$ 4,25 é necessário para recompor o equilíbrio econômico-financeiro do sistema de transporte público e permitir a retomada de investimentos que tragam melhorias para os passageiros.