Por Ivan Santos, do Bem Paraná

O governador Beto Richa (PSDB) começa a semana enfrentando o desafio de remover os últimos obstáculos para a conclusão da reforma do secretariado. Richa deve se reunir hoje ou amanhã com a bancada do PMDB na Assembleia Legislativa para definir o espaço que caberá ao partido em sua nova equipe. A legenda, que tem a maior bancada na Assembleia, é considerada peça fundamental para reforçar o palanque de reeleição do governador em 2014.

Na semana passada, Richa anunciou a nomeação dos deputados federais Ratinho Júnior (PSC) e Reinhold Stephanes (PSD), para as secretarias de Estado do Desenvolvimento Urbano e da Casa Civil, respectivamente, entre outras mudanças. O objetivo principal da reforma é atrair PSC, PSD e PMDB para uma aliança formal para a disputa estadual do ano que vem, isolando o PT da ministra chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, apontada como provável principal adversária do tucano na eleição para o governo.

A definição do tamanho do espaço que caberia ao PMDB, porém, esbarrou na falta de acordo entre os próprios peemedebistas sobre quais cargos seriam reservados à legenda, e quem os ocuparia. O ex-governador Orlando Pessuti (PMDB) chegou a confirmar ter sido sondado para assumir a presidência da Sanepar, mas alegou que não poderia tomar uma decisão antes de ouvir seu grupo político.

Apesar do governador, alegando não poder mais esperar, ter anunciado a indicação do atual diretor administrativo da Sanepar, Antonio Hallage, para a presidência da empresa, os peemedebistas acreditam que o partido ainda pode emplacar o comando da companhia. Outra possibilidade é o remanejamento do deputado estadual licenciado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB) da Secretaria de Estado do Trabalho para a Pasta do Planejamento, hoje ocupada por Cássio Taniguchi. O deputado estadual Waldyr Pugliesi (PMDB) é cotado para assumir a Secretaria do Trabalho no lugar de Romanelli, abrindo caminho para que o suplente Luiz Carlos Martins (PSD) volte à Assembleia. Além disso, o partido ainda reivindica outra secretaria, que poderia ser a Pasta do Meio Ambiente, ou da Agricultura.

Para ler a reportagem completa, clique aqui