Dezenas de empresas de tecnologia, incluindo gigantes como a Apple, Google e Facebook, se juntaram aos estados de Washington e Minnesota, contra a proibição do presidente americano, Donald Trump, de refugiados e viajantes de sete países predominantemente muçulmanos de entrar nos Estados Unidos

As companhias arquivaram sumários na tarde de domingo em um tribunal de apelação federal, dizendo que o decreto de Trump prejudica seus negócios.

Neste arquivamento, um total de 97 empresas disseram que a proibição de viagens de Trump “dificulta a capacidade das empresas americanas atraírem grandes talentos; aumenta os custos impostos nos negócios e torna mais difícil para as empresas americanas competirem no mercado internacional”.

A proibição de viagens levaria as empresas a construírem operações fora dos Estados Unidos. A longa lista de empresas que pretendem lutar contra Trump ainda conta com Uber, eBay e Netflix.

As empresas estão tentando ajudar Washington e Minnesota, dois estados que disseram que a proibição causou danos aos moradores e discriminação. O 9º Tribunal de Apelações do Circuito dos EUA este fim de semana negou o pedido da administração de Trump de anular imediatamente a decisão de um juiz de Seattle que vetou a proibição em todo o país.

A ordem de Trump aplicada foi aplicada ao Iraque, Síria, Irã, Sudão, Líbia, Somália e Iêmen, alegando preocupações com o terrorismo. Fonte: Associated Press