Após a repercussão em torno da votação que pretendia alterar a Lei Orgânica de Colombo e alterar de 13 para 21 vereadores na Câmara foi adiado nesta terça-feira (19). A emenda serviria para corrigir as falhas jurídicas do mesmo projeto aprovado no ano passado, que ampliou o número de vagas. Hoje, os 21 vereadores só estão no cargo graças a uma liminar do Tribunal de Justiça do Paraná.

Em entrevista à Banda B, o presidente da Câmara, Sérgio Pinheiro (PRP), afirmou que a atual gestão pretende fazer tudo da maneira correta e escutar a população antes da votação. “Desta vez vamos fazer como manda o figurino, todos os prazos serão respeitado, para que a partir daí possamos votar os dois turnos”, disse.

O vereador que propôs a mudança, Waldirlei Bueno de Oliveira (PMDB), é um dos que perderia o mandato caso a justiça determinasse a redução no número de parlamentares e afirmou que esse aumento no número de vereadores traz benefícios a população. “Muitos bairros não eram contemplados pelo município por ausência de representatividade na Câmara, esse número privilegia bairros que há mais de 30 não tinham um vereador”, afirmou.

Pela manhã, o vereador Helio Feitosa (PSD), que está entre os 13 garantidos, criticou a inclusão da proposta já na primeira sessão do ano. “Eu acho um absurdo e entendo como uma artimanha para consertar o que eles erraram no passado. Não estão divulgando o projeto para a população e a gente sabe que nada aprovado nesse sentido poderá valer para a atual gestão porque ninguém pode legislar em causa própria. Mas a questão é que o vereador Waldirlei tem orientação jurídica para fazer passar o projeto e depois usar como argumento na justiça de que os erros do projeto original foram corrigidos”, afirmou.