Por Ivan Santos, do Bem Paraná

O governo federal pode entrar na briga entre o governo do Estado e a prefeitura de Curitiba envolvendo a gestão do transporte coletivo da Capital. É que a presidente Dilma Rousseff estaria estudando o lançamento de um pacote de desonerações para reduzir ou isentar a cobrança de impostos que incidem sobre o diesel e o transporte coletivo urbano. A iniciativa vem à tona no momento em que o governador Beto Richa (PSDB) e o prefeito Gustavo Fruet (PDT) travam intensa batalha junto à opinião pública, por conta da decisão do governo estadual de não renovar o convênio pelo qual vem subsidiando a tarifa integrada de ônibus de Curitiba e região metropolitana.

O convênio foi estabelecido em abril do ano passado, ainda na gestão do ex-prefeito Luciano Ducci (PSB), e previa o repasse de R$ 63 milhões do Estado para a prefeitura, por um período de um ano. Na terça-feira, Richa anunciou que a partir de maio não irá renová-lo, alegando que se tratava de uma ajuda emergencial, e que o governo não teria condições de mantê-la, já que atravessa dificuldades financeiras. Além disso, o governador alegou que a responsabilidade pelo transporte coletivo da Capital é da prefeitura.

Fruet criticou a decisão, argumentando que o subsídio é fundamental para manter a integração da tarifa com 13 municípios da região metropolitana. O prefeito afirmou ainda que anunciaria hoje o reajuste da tarifa, hoje em R$ 2,60. Segundo cálculos da Urbs – que gerencia o sistema de transporte da Capital – a tarifa técnica, que define o custo do serviço, seria hoje de R$ 3,05. Mas de acordo com Fruet, a nova tarifa deve ficar abaixo desse patamar.

Para ler a matéria completa, clique aqui