Por Elizangela Jubanski

alvaro-dias27092013

Álvaro Dias (PSDB) nos estúdios da Banda B. Foto: Elizangela Jubanski/Banda B

A hipótese de enfrentar o irmão, Osmar Dias (PDT), em campanhas eleitorais para os mesmos cargos é praticamente remota, disse o senador Álvaro Dias (PSDB). A declaração foi dada à jornalista Denise Mello na manhã desta sexta-feira (27) no programa Luiz Carlos Martins da Rádio Banda B. “Não existe um acordo, o que existe é respeito. Somos irmãos e temos que ter essa solidariedade fraterna. Não enfrento meu irmão, acho isso desagradável”, afirmou. Osmar está sendo cotado para compor a chapa de Gleisi Hoffman como senador. “Hipótese alguma vamos nos enfrentar”, disse o senador.

Álvaro reafirmou que pretende se candidatar ao Senado nas próximas eleições. “Eu sempre condenei as antecipações das campanhas eleitorais, nunca concordei com o lançamento precipitado de candidaturas, até mesmo para presidente da república. Então, estou deixando na última hora e analisando o quadro político do momento e o que posso dizer é que praticamente certo que eu vá disputar o Senado novamente”. O prazo para pretensos candidatos se filiarem visando disputar as próximas eleições vence no próximo dia 5 de outubro.

Sobre as farpas que já trocou com o governador Beto Richa, Álvaro é taxativo. “Não podemos ser falsos, sou franco e divergências existem, mas onde não existem divergências? Em que partido eu estaria sem divergir? Eu tenho uma atuação de independência e não troco minhas convicções pessoas por nada. As divergências entre mim e o governo provavelmente continuarão, mas temos que administrar isso porque somos do mesmo partido. Eu quero combater cargos e balcões que só favorecem os mensaleiros da república”.

Apesar de ter visibilidade na mídia em apoio a questões nacionais, o senador diz que procura representar os interesse do Paraná. “Eu procuro representar o interesse do Paraná quando combato nacionalmente a corrupção. Em dezembro de 2010, apesar de minhas divergências com o governador naquela época, consegui em Brasília uma votação que evitou que o Paraná desembolsasse R$ 1 bilhão e 700 milhões pela Lei Kandir”, se defende.

O senador disse que foi sondado pelo DEM com o objetivo de candidatura própria do partido. “Houve essa tentativa na busca de alternativa para a presidência da república porque o quadro posto ainda não atende as expectativas. Houve uma movimentação de partidos que desejavam ter candidatura própria para a presidência e, por isso, fui sondado recentemente pelo DEM, há duas semanas”, confirmou. No entanto, costuras internas indicaram que o DEM pretende manter a aliança com o PSDB.

Comemoração
Amanhã, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) estará em Curitiba para participar de um encontro em comemoração aos 25 anos do Partido da Social Democracia Brasileira. O evento acontece no Clube da Urca a partir das 9 horas. Um dos principais temas de debate será o Pacto Federativo.