(Agência Brasil)

A ala do PSB contrária à aliança com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) deu início a uma ofensiva para viabilizar a filiação e candidatura do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa pelo partido na eleição presidencial deste ano. Capitaneado pelo líder da legenda na Câmara, deputado Júlio Delgado (MG), o grupo prepara uma série de manifestos e notas de diretórios estaduais e da bancada no Congresso em apoio à candidatura do ex-ministro.

O movimento da ala pró-Barbosa busca se contrapor à articulação liderada pelo vice-governador paulista, Márcio França. Para tentar arregimentar o apoio dos tucanos à sua candidatura ao governo de São Paulo neste ano, França articula aliança do PSB com Alckmin na eleição presidencial. A movimentação do vice tem incomodado Barbosa, que disse a integrantes da cúpula do PSB que só aceita ser candidato a presidente se tiver amplo apoio na legenda.

Segundo o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, o partido ainda não tomou decisão sobre como se posicionará na disputa presidencial. De acordo com ele, a legenda está focada na construção de candidaturas a governador em oito Estados – São Paulo, Minas, Sergipe, Pernambuco, Paraíba, Amazonas, Tocantins e Espírito Santo – e no Distrito Federal.

O primeiro manifesto em apoio ao ex-ministro foi lançado na semana passada pelo diretório do PSB mineiro. “A Executiva Estadual do PSB de Minas Gerais reconhece que a filiação de Joaquim Barbosa reforça os quadros do campo progressista. É homem público, capacitado, competente e dará grandes contribuições para as discussões temáticas nacionais”, diz a nota, aprovada na terça-feira.

“Como este, teremos manifestos de outros Estados e, na volta do recesso, faremos um manifesto de deputados e senadores em apoio à candidatura dele (Barbosa)”, disse Delgado ao Estadão/Broadcast.

O deputado afirmou que tem ligado e se reunido com pessebistas de outros Estados para articular as notas. A expectativa é de que os diretórios do Rio Grande do Norte, Acre e Piauí divulguem manifestos nessa linha nas próximas semanas.

Reunião

Delgado e outros deputados do PSB se reuniram com Barbosa na quinta-feira passada, um dia após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter a condenação confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4).

O encontro ocorreu em Brasília e teve a presença do marqueteiro argentino Diego Brady, que trabalhou na campanha presidencial do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), em 2014. Na reunião, Barbosa, que deixou o Supremo no ano da morte de Campos em acidente aéreo durante a campanha eleitoral, relatou incômodo com movimentos de alas do PSB contra sua candidatura.

“Dissemos a ele que nem o Eduardo (Campos), que era governador de Pernambuco, presidente do partido e que teve toda uma história no partido, conseguiu unanimidade em 2014. É um trabalho de construção de candidatura e que vamos continuar fazendo”, afirmou o líder do PSB na Câmara.

Na reunião, o marqueteiro argentino sugeriu que Barbosa publicasse uma nota comentando o resultado do julgamento do TRF-4, que, por unanimidade, não só confirmou a condenação de Lula no processo do triplex do Guarujá (SP), como aumentou a pena de 9 anos e 6 meses para 12 anos e 1 mês. O ex-ministro, no entanto, disse que não iria se manifestar publicamente para não ser “tachado de oportunista”.

O encontro da semana passada foi o segundo de Barbosa com integrantes do PSB em menos de dois meses. Em 11 de dezembro, o ex-ministro do Supremo se reuniu com deputados federais do partido em seu escritório em São Paulo.

Nas duas conversas, ele admitiu interesse em disputar a eleição presidencial deste ano, mas disse que só anunciará sua decisão oficial em março – o prazo para políticos que forem participar das eleições se filiarem a algum partido acaba em 7 de abril. A reportagem não conseguiu contato nesta segunda-feira, 29, com o ex-ministro do Supremo.