Peça chamou a atenção de toda a comunidade de Planaltina – Reprodução

Uma apresentação teatral que tinha o propósito de debater a questão da sexualidade, trabalhando a prevenção a doenças venéreas e à gravidez precoce, causou constrangimentos ao Centro de Ensino Fundamental (CEF) 03 de Planaltina. Durante a encenação, um ator vestido de palhaço entrou em cena com um “pênis gigante” preso à cintura. Em outro momento, o grupo canta “pega, pega a minha rola”.

Cerca de 150 estudantes, entre 14 e 16 anos, acompanhavam a peça, chamada O Auto da Camisinha, da Hierofante Companhia de Teatro, de Ceilândia. Fotos e vídeos do momento caíram nas redes sociais e revoltaram alguns pais e internautas. No entanto, em parte dos comentários, a peça era defendida como ferramenta pedagógica para abordar o tema nas instituições de ensino.

A mãe de duas alunas do colégio disse ao Metrópoles ter ficado chocada com a situação. Segundo a mulher, que pediu para não ter o nome divulgado, uma das filhas, de 12 anos, mostrou as imagens e o vídeo. Ambos começaram a circular em grupos de WhatsApp. “Ela disse: ‘Olha, mãe, o que aconteceu na minha escola’.”

De acordo com a mulher, a filha estuda à tarde e não estava na apresentação. Até porque, não teria idade para assistir ao espetáculo se estudasse no turno matutino. “Mesmo assim, viu esse absurdo porque recebeu no celular”, reclamou.

Procurada pela reportagem, a direção do CEF 03 disse ter sido pega de surpresa durante a apresentação, pois não foi informada de todo o conteúdo da peça. Conforme pontuou a professora Adriana Reis, supervisora da escola, a ideia era promover, de forma lúdica, a discussão sobre problemas como doenças sexualmente transmissíveis e evitar a gestação durante a adolescência no âmbito da educação sexual.

Já a Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEEDF) afirma que “houve um erro” da direção da escola por permitir a ação sem avaliação prévia do conteúdo apresentado. De acordo com a SEEDF, a peça foi sugerida pela companhia de teatro, sem custo para a escola, e não passou por análise da pasta.

Leia a reportagem completa aqui