Um mix bem interessante com música, dança e teatro de várias vertentes.

Cutucada Teatral:

Com um título, no mínimo, curioso, estréia nesta sexta-feira o espetáculo Linda Blair Entra na Sala, pelo coletivo curitibano Selvática Ações Artísticas. A montagem, que acontece na sede da companhia, é centralizada na figura da mulher como anti-heroína. Em uma sequência de cenas do cotidiano Linda está sempre em oposição a figuras masculinas. As cenas, que culminam em situações absurdas, são carregadas de mensagens feministas que evidenciam a cultura dominante de demonde a demonizar a imagem da mulher historicamente.
Escrita em 2003 pela dramaturga Leonarda Glück, Linda Blair Entra na Sala,apesar de levar no título o nome da atriz de cinema do clássico O Exorcista, foiescrito em um período em que a dramaturga assistia ao filme O Bebê de Rosemary,de Roman Polanski, em que uma mulher sempre é levada ao erro por seus parceiros e familiares. “Todos os planos dessa mulher fracassam e ela está presar numa situação que aparentemente não tem solução”, comenta Glück.
A encenação, assinada pela artista selvática Semy Monastier, carrega um universo de referências pop que vão, além da óbvia Linda Blair.

Serviço
Linda Blair Entra na Sala de Leonarda Glück
De 17 a 26 de março
sex a dom às 20h
Ingressos R$20 e R$10 (meia entrada)
Casa Selvática
Rua Nunes Machado, 950 – Rebouças

Assista o teaser do espetáculo:

___________________________________________________________________________

Cutucada Musical:

O espaço cultural Cia dos Palhaços recebe nesta sexta a cantora Simone Magalhães com o show Por que não tem paquita preta?, show performático.
Simone Magalhães é atriz, cantora e compositora. Atua em Curitiba desde 1985 e já foi indicada 3 vezes ao Prêmio de Melhor Atriz no Troféu Gralha Azul, tendo sido premiada em 2009 pelo espetáculo Pixaim.
Por que não tem paquita preta? está em cartaz desde 2014 na Casa Selvática.

Serviço
Simone Magalhães – Por que não tem paquita preta?
Dia 17 de março de 2017
Sexta-feira às 21h
Ingressos: R$30 (inteira) e R$15 (meia)*
Espaço Cultural Cia dos Palhaços
Alameda Princesa Izabel, 465 – São Francisco
Fone: 41 3077-5009
*A bilheteria abre uma hora antes de cada sessão.

___________________________________________________________

Cutucada teatral:

O miniauditório do Teatro Guaíra apresenta até o dia 26 de março a peça Cabaré da Servidão Voluntária, de Cesar Almeida. O trabalho é uma reeleitura da obra “Discurso da Servidão Voluntária” escrito em 1548 por Etienne de La Boétie, filósofo francês, no qual os governantes são chamados de “tiranos”. Os textos se tornaram populares com a divulgação do pensador contemporâneo brasileiro Leandro Karnal. O manifesto performático ao estilo cabaré contemporâneo fala da submissão voluntária dos povos ao governo de um homem só, seja pelo hábito ou pela religião, superstição que se criam em torno da figura do líder.

Serviço
Cabaré da Servidão Voluntária
Até 26 de março
Sex e sab 21h / dom 19h
Ingressos R$ 20,00 + Taxa Administrativa R$ 3,00
Auditório Glauco Flores de Sá Brito (Miniauditório Guaíra)
________________________________________________________________

Cutucada de cultura japonesa:

No Teatro da Reitoria, neste domingo, os tambores japoneses vão rufar com o espetáculo do grupo RyukyuKoku Matsuri Daiko, que trazem a tradição do sul do Japão por meio de músicas e coreografias. Após o espetáculo, os interessados em praticar o taikô de Okinawa podem fazer a inscrição no grupo. A idade mínima para participar é de 6 anos de idade.
Fundado na ilha de Okisawa, o grupo tem se expandiu pelo mundo em filiais para divulgar a Eisá, uma dança com tambores que incorpora movimentos da dança tradicional japonesa, artes marciais e outros elementos.

Serviço
Convocatória 2017 – Ryukyu Koku Matsuri Daiko
19 de março
Ingresso gratuito
Domingo a partir das 16h
Teatro da Reitoria da UFPR
Rua XV de Novembro, 1299 Centro
_________________________________________________________________

Cutucada de dança contemporânea:

Bimobaba, a peça de dança contemporânea que a Casa do Damaceno apresenta a partir de 15 de março parte de questões ligadas ao grotesco feminino e da investigação de infinitas possibilidades de comunicação com o espectador, afim de aguçar e diluir projeções sobre o corpo da mulher.
A criação é da artista Bia Figueiredo, surgiu das práticas e discussões vivenciadas em residências artísticas e dos estudos de Judith Butler e Jussara Setenta sobre a ideia de performatividade.
Além da peça, Bimobaba se ramifica em diversas ações com o desejo de circular a dança em diferentes suportes. Para isso estão programadas 4 ações performativas na rua, com colaboração de Ricardx Nolasco, na Rua Cruz Machado e Camila Jorge, na Rua Saldanha Marinho.
Bimobaba foi contemplado pelo Prêmio FUNARTE de Dança Klauss Vianna – 2015
Serviço
Bimobaba de Bia Figueiredo
De 15 a 19 de março
Quarta a sábado 20h
Domingo 19h
Casa do Damaceno
Rua Treze de Maio, 991 – São Francisco
Entrada franca

Ações performativas na rua:
12 e 19 de abril às 15h.
Rua Saldanha Marinho, ao lado da Catedral de Curitiba
Provocação: Camila Jorge

26 de abril e 3 de Maio às 15h.
Rua Cruz Machado, Praça Santos Dumont
Provocação: Ricardx Nolasco









Notícias relacionadas

Os comentários estão fechados.