Grandes vilões do trânsito são excesso de velocidade e falta de atenção, diz diretor do Detran

Por Marina Sequinel

(Foto: Reprodução)

 

Chega ano, passa ano e os perigos da imprudência no trânsito ainda precisam ser lembrados diariamente: no Brasil, aproximadamente 50 mil pessoas morrem por ano vítimas de acidentes nas ruas e estradas. Em 94% dos casos, a culpa é de falha humana.

Segundo o diretor-geral do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR), Marcos Traad, grande parte do problema está no excesso de velocidade. “Além disso, há a falta de observação da sinalização das vias, que mostram onde a ultrapassagem é permitida, por exemplo. Muitas vezes, a questão se resume na falta de atenção. Hoje até recebi uma ligação de uma amigo, reclamando da carteira suspensa, dizendo que havia sido multado na Via Calma (…). Mas são regras e elas precisam ser seguidas”, disse ele em entrevista ao radialista Geovane Barreiro durante o Jornal da Banda B 2ª Edição.

Depois do excesso de velocidade, o uso do celular ao volante é um dos vilões no trânsito. De acordo com o diretor, o aparelho aumenta em quatro vezes o risco de acidentes, já que o condutor pode ser pego de surpresa em uma eventual colisão. “Quando você tem a visão de que vai sofrer um acidente, tenta pisar no freio, reage de alguma forma. Mas sem nenhuma atenção, com o celular, não há direção defensiva”, completou.

Já a bebida alcoólica diminui a percepção dos riscos por parte do motorista, que se torna mais ‘ousado’ na direção. Todos esses fatores se refletem no número de mortes registradas pelo Detran em todo o país. Para Traad, reverter essa realidade demanda muito trabalho, que vai desde o ambiente familiar, passa pelas escolas e chega aos centros de formação de condutores.

Educação

A educação no trânsito não é um assunto exclusivo das autoescolas. Ela também precisa ser debatida em casa. “Hoje, 85% dos novos condutores nunca dirigiram, ao contrário de como era quando eu tirei a carteira. Naquela época, havia o costume de dirigir em propriedades rurais. Mesmo que isso tenha mudado, a família continua a ter responsabilidade de formar um bom cidadão, que seja prudente no trânsito”, afirmou o diretor.

Motociclistas

De acordo com Traad, os motociclistas também precisam de um ‘olhar especial’ por parte do Detran. “Eles são os grandes alvos dos acidentes, devido à frota menor e pela vulnerabilidade. Muitas vezes, o motociclista tem aulas na autoescola e, quando chega no trânsito, se depara com um ambiente que ele não conhece. Há essa preocupação de garantir, assim, uma boa formação para essa categoria”.

Campanhas

A campanha do Maio Amarelo deste ano tem um lema considerado importante por Traad: ‘A minha escolha faz a diferença’. Segundo ele, cada um deve se sentir responsável pela própria vida e também pela dos outros quando se está atrás do volante.

“Nós temos o hábito de dizer que a lei vai ou não pegar, mas na verdade as regras precisam ser respeitadas. Nós não queremos arrecadar com as multas, mas sim diminuir a imprudência. Temos que ter consciência de que o que fazemos pode sim causar danos coletivos”, finalizou.

Assista a entrevista completa abaixo:

Notícias relacionadas

Os comentários estão fechados.