(Getty Imagens)

O vírus ebola apareceu de novo, desta vez na República Democrática do Congo. Ainda que seja impossível prever exatamente onde e quando ocorrerá o próximo surto, sabemos atualmente muito mais sobre como prevenir uma crise.

As notícias sobre um novo surto na cidade de Bikoro, no noroeste da República Democrática do Congo, traz à mente o horror da epidemia que custou 11 mil vidas e afetou 22 mil pessoas na África Ocidental entre 2014 e 2016. Foi um pesadelo que ninguém quer reviver.

Desde 4 de abril, houve mais de 30 possíveis casos registrados na República Democrática do Congo, com 18 mortes, ainda que só dois incidentes tenham sido confirmados como ebola.

Então, por que esse vírus continua voltando a atacar e o que está sendo feito para prevenir que se repita a tragédia de alguns anos atrás?

Fora de controle

O ebola pode se espalhar rapidamente, pelo mero contato com pequenas quantidades de fluido corporal de uma pessoa infectada. Seus sintomas iniciais semelhantes ao da gripe, como febre, fraqueza e dores musculares, além de dores de cabeça e garganta, nem sempre são óbvios.

Seu surgimento em Bikoro, cujo mercado atrai gente de cidades e povoados na região, e é ligada a outras partes do país por grandes rios, além de ficar próxima da fronteira, é motivo de preocupação. É uma área de grande movimentação de pessoas e comércio, um lugar ideal para que a doença se espalhe.

A epidemia de 2014-2016 começou em um pequeno vilarejo na fronteira da Guiné. Sua primeira vítima foi um menino de 2 anos que morreu em dezembro em 2013. A doença se espalhou rapidamente pelo país e os vizinhos Serra Leoa e Libéria, saindo do controle ao chegar aos centros urbanos.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.