As membranas artificiais enviadas pelo Governo do Estado ao Hospital das Clínicas de Porto Alegre começaram a ser usadas nos pacientes do incêndio da boate Kiss, em Santa Maria (RS). O material, fabricado no Paraná, vai ajudar na cicatrização das queimaduras de 60 jovens que permanecem internados.

O governo doou 500 membranas que substituem a pele temporariamente e diminuem o tempo da cicatrização das queimaduras. “Essa técnica desenvolvida no Paraná, é uma ajuda essencial neste momento de sofrimento”, afirmou o governador Beto Richa. A quantidade doada é suficiente para acompanhar todo o tempo de tratamento dos enfermos.

As membranas foram levadas ao HC de Porto Alegre pelo médico José Fernando Macedo, vice-presidente da Associação Médica Brasileira e superintendente do Departamento de Assistência à Saúde do Servidor Público do Paraná (DAS/SEAP). “Os médicos cirurgiões de Porto Alegre fizeram testes assim que as películas chegaram e ficaram surpresos com a qualidade do produto”, conta Macedo. “A equipe do HC ficou extremamente feliz com a ajuda, disseram que chegou numa boa hora e que estão agradecidos ao governo do estado do Paraná”.

O material é desenvolvido e fabricado em Curitiba e é usado há mais de dez anos. A membrana regenerativa está registrada na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e na Administração de Comidas e Remédios (FDA) dos Estados Unidos.