Da Redação com CMC

Por 13 votos a 8, os vereadores de Curitiba rejeitaram o projeto de lei que obrigaria a Prefeitura a ressarcir danos causados em veículos estacionados nas vagas do EstaR. De iniciativa do Mestre Pop (PSC), era para o projeto ter sido votado na semana passada, mas o plenário concordou em aguardar três sessões para discutir a criação de um “EstaR com seguro”.

estarA hipótese de um “EstaR com seguro” foi levantada pelo vereador Jorge Bernardi (Rede), e protocolada a tempo da votação. Assinada por Pop e Bernardi, ela previa a criação de uma apólice de seguro coletivo para lidar com casos de roubo, furto total ou parcial, colisão e alagamento. Contudo, hoje, Pop recuou e pediu a retirada do substitutivo em plenário, por considerar que ela onera o usuário.

Mestre Pop insistiu, em plenário, que “a prefeitura está recebendo pelo uso da vaga [do EstaR]. Quando recebe, tem que dar segurança e há a obrigação de reparar os danos”.

Líder do prefeito na Câmara de Vereadores, Paulo Salamuni (PV) questionou como seria feita a perícia. “Como faríamos para calcular a perícia, quem concorreu com culpa, de 20 roubos [de veículos] por dia? E o Estado, que é responsável pelo policiamento ostensivo? [O projeto] tem dado uma boa discussão na cidade, mas não vejo como aprová-lo”, disse.

O vereador Hélio Wirbinski (PPS) já anunciou que pretende apresentar um substitutivo na próxima gestão.