Redação com SMCS

A Urbs notificou nesta segunda-feira (14) o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo (Setransp), o Sindicato dos Motoristas e Cobradores (Sindimoc) e o Consórcio Pontual pelo atraso, em cerca de uma hora, da saída dos ônibus da empresa São José Urbana, que integra o consórcio. Ontem, os funcionários da empresa se reuniram em frente à garagem no bairro Parolin por volta das 5 horas e fizeram assembleia para tratar das denúncias de descontos indevidos no salário de motoristas. Segundo o Sindimoc, alguns trabalhadores estariam tendo que assinar até 100 promissórias de R$ 200 ou até R$ 300 para pagar despesas geradas em acidentes de trânsito, sem direito à defesa.

As notificações foram enviadas no final da tarde. No caso do Sindimoc, a Urbs alerta para a necessidade de cumprimento de determinação legal para que paralisações de motoristas e cobradores sejam comunicadas com antecedência, permitindo a adoção de alternativas que minimizem os danos causados aos usuários.

A Urbs informou que, embora diretores do sindicato tenham participado da mobilização dos funcionários da empresa, na manhã desta segunda-feira, não houve qualquer comunicado avisando da paralisação, que teve inclusive piquetes impedindo a saída dos ônibus.

Já o Consórcio Pontual foi notificado porque a empresa líder do consórcio não assumiu as linhas que ficaram sem ônibus no primeiro horário do dia, conforme determina a clausula 13ª do contrato.

A empresa São José Urbana, por sua vez, receberá um auto de infração por tabela horária não cumprida. A multa pelo não cumprimento de horários da tabela prevista equivale ao custo de 50 quilômetros rodados; nos casos de não cumprimento da tabela inteira, o valor da multa é equivalente a 250 quilômetros rodados. O custo por quilômetro é de R$ 6,3380.

Atrasos

Com o piquete feito de madrugada, os ônibus da São José Urbana, deveriam estar nos terminais e pontos iniciais às 5 horas, só saíram da garagem às 6h20. A empresa é responsável por linhas alimentadoras da região do Hauer e Boqueirão, compartilhadas com outras empresas. A única linha feita exclusivamente pela São José Urbana é a Bairro Novo, que sofreu atrasos logo pela manhã.

Às 7h30 toda a operação estava normalizada. A mobilização só envolveu os motoristas e os cobradores dos ônibus. Os cobradores das estações tubo – a maioria no Eixo Boqueirão – que são funcionários da São José Urbana trabalharam normalmente.

O transporte coletivo em Curitiba é feito por três consórcios – Pontual, Transbus e Pioneiro – contratados por licitação feita em 2010. Pelo contrato, os consórcios devem atuar de acordo com o regulamento do transporte coletivo e, em caso de problemas com uma das empresas, a empresa líder deve assumir as linhas em que estejam ocorrendo problemas.

Os três consórcios operam 250 linhas com uma frota operante de 1.360 ônibus. Por dia, em Curitiba, são quase 1,8 milhão de passageiros transportados.

Notícia Relacionada:

Empresa não faz seguro e cobra até R$ 30 mil de motoristas, denuncia Sindimoc