Juliano Cunha/Banda B
A greve só não será mantida caso a empresa efetue o pagamento do mês de dezembro

Os motoristas e cobradores da empresa CCD Transporte Coletivo decidiram em assembléia realizada na noite desta terça-feira (8) pela paralisação das atividades a partir do próximo sábado (12). A greve só não será mantida caso a empresa responsável por quase 1,1 mil funcionários efetue o pagamento do mês de dezembro. Algumas linhas que podem sofrer a paralisação circulam a região leste de Curitiba – Interbairros II, ligeirinho Inter 2, biarticulado Centenário-Campo Comprido entre outras.

A assembléia entre os trabalhadores e representantes do Sindicato dos Motoristas de Ônibus e Cobradores (Sindimoc) decidiu que a meia-noite de sábado a categoria entra em greve. O presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira, afirmou que diretores da empresa pediram uma linha de créditos para que pudessem saldar o pagamento em atraso. Teixeira explicou como fica a situação até sexta-feira,

disse que o transporte coletivo de Curitiba está em crise em falou até em abertura de uma CPI para investigar a realidade que envolve o transporte na capital.

“A categoria optou pela paralisação caso não haja o pagamento. Abrimos o indicativo de greve e informaremos amanhã à empresa, a Urbs e a Prefeitura. O prazo para pagamento era terça-feira e só não entraremos caso seja pago o salário dos trabalhadores até sexta-feira”, disse o presidente do Sindicato.

Ainda, o presidente aproveitou para desaprovar o sistema do transporte coletivo. “O usuário paga a tarifa na hora, então porque o trabalhador não recebe em dia? O que está acontecendo com o sistema público?”, critica.

Parcelamento

A empresa CCD informou no início da semana, em reunião com o Ministério do Trabalho e com o Sindimoc, que não há meio de efetuar pagamento à vista. Os patrões propuseram o parcelamento da dívida, que foi rechaçado pelos trabalhadores.

O diretor da empresa, João Abujamra Neto, garantiu que a partir de março os salários estariam normalizados. Ficando parcelado até o dia 23 de janeiro o pagamento dos 60% residuais referentes ao mês de dezembro (30% em 10/01, 40% em 17/01 e 30% em 23/01) e no dia 29 de janeiro ficará quitado o adiantamento salarial do mês de janeiro, vencível no quinto dia útil do mês de fevereiro.

Carlos de Castro, assessor jurídico da CCD Transporte Coletivo, lembra que, caso não se aceite a proposta e se estabeleça greve, a paralisação da categoria somente agravaria a situação. “Uma eventual paralisação impediria o recebimento pelos serviços prestados. Assim, nosso objetivo nesta data é buscar uma proposta viável para solucionar as pendências”, diz.