Da SMCS
Quem aproveitar o fim de semana e o feriado para visitar o Zoológico de Curitiba encontrará os tigres Tom e Teta alojados em novos recintos. Os tigres asiáticos de 350 kg e 200 kg, respectivamente, estão abrigados deste o dia 5 de outubro em um espaço de 450 metros quadrados cada, com piscina e plataformas com troncos de arvores que enriquecem o ambiente e proporcionam bem-estar.

recintos

(Foto: Divulgação SMCS)

“A adaptação foi ótima. A reação foi a melhor possível. Tom e Teta estavam distantes um do outro nos antigos endereços e ao se encontrarem visualmente, emitiram sons e se comportaram demonstrando sinais de conforto”, explica o diretor de pesquisa e conservação da fauna da Secretaria Municipal do Meio ambiente,Eros Luiz de Souza,

Os recintos utilizados inicialmente, com 70 metros quadrados cada, serão utilizados para o manejo das onças, que terão seus espaços enriquecidos com a construção de piscinas e reforma de plataformas.

Com esta mudança, um dos leões, o Simba, passará a habitar um dos melhores espaços do zôo. Localizado ao lado do recinto das leoas, a áreas com mais de 1,5 mil metros quadrados não tem acesso para visitantes. Nas próximas semanas será construída uma plataforma elevada que o apresentará ao público que transitar pelo local.

O Zoológico de Curitiba não compra animais e nesta gestão vem reforçando sua característica de centro de pesquisa, e não somente de entretenimento. “O zoológico não é um local apenas de contemplação, mas também de preservação e estudos científicos”, esclarece o secretário municipal do Meio Ambiente, Renato Lima. “Tendo isso em vista, a atual gestão da Prefeitura decidiu investir como nunca havia sido feito no local anteriormente, sempre visando ao bem-estar dos animais”, completa o secretário.

“Essa é uma nova visão sobre os zoológicos que não se limitam atualmente só ao caráter expositivo, mas principalmente em garantir a sensibilização das pessoas em relação ao meio ambiente, a guarda responsável e a divulgação das leis que combatem os maus tratos”, afirma Souza.

Outras obras

Pela primeira vez, em 32 anos de funcionamento, foram realizadas dragagem e limpeza no fundo de vários lagos do zoo: o dos recintos do chimpanzé, o da ilha dos macacos, na parte frontal do recinto das leoas e dos antílopes. Foram retirados 40 caminhões de lodo e barro.

Em 2014, os macacos Aranha e para o Leo, único macaco da espécie Muriqui habitante do local, mudaram-se para recintos maiores, com 400 metros quadrados de área e 12 metros de altura.

Visitantes

Foras assistir a inauguração do novo recinto dos tigres alunos do 1º e 2º anos da Escola Municipal General Celso Azevedo Daltro Santos, de Araucária. Marcos Vítor Desidério de Matos, do 1º ano, disse que estava muito feliz com o passeio. “Nunca tinha visto um tigre de verdade, só em desenho na televisão”, contou.

Participaram do evento o vereador Geovane Fernandes, o administrador da Regional Boqueirão, Augusto Meyer Neto, superintendentes e funcionários da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.