da catve.com

Quatro pessoas prestaram depoimento na manhã desta quinta-feira (7), dois guardas patrimoniais de duas jovens que também estiveram no Zoológico no dia do acidente. O relato de uma das testemunhas pode mudar completamente o rumo das investigações. Segundo ela, o pai e os dois filhos estiveram no Zoológico bem antes do horário do acidente e as crianças já brincavam com os animais.

“A gente tava no Zoológico perto do meio-dia, nesse horário o menino já estava na frente da grade de proteção, já brincava com o tigre”, relatou a testemunha.

As jomenino tigrevens não comunicaram o fato a ninguém, porque viram a família deixando o parque. “Era perto das duas horas da tarde e fomos embora e eles também estavam indo. Quando eu cheguei na faculdade fiquei sabendo que o menino tinha sido mordido”.

Parte da história que até então estava desconhecida. O fato do pai retornar com os filhos para o Zoológico com pedaços de carne para alimentar os animais, abre uma nova linha de investigação. “Tenho ainda que verificar a situação, se eles retornaram justamente para dar alimento para o animal”, disse o delegado que cuida do caso Denis Zortea.

O menino recebeu alta hospitalar na quarta-feira à tarde e viajou ontem de volta para casa, em São Paulo, acompanhado da mãe e do padrasto. O pai, que também vive em São Paulo, ficou em Cascavel para prestar depoimento. Ele terá que esclarecer o que realmente aconteceu no dia e novas testemunhas ainda são aguardadas pelo delegado.

No Zoológico, dia de visitação normal, vigilância reforçada e a promessa de futuras modificações. “Aguardamos os trâmites da justiça. Depois algumas ideias serão discutidas com relação ao reforço de segurança neste recinto em específico”, disse o veterinário do Zoo, Valmor Passos.

Para ver a reportagem da catve sobre os depoimentos, clique aqui