Por Elizangela Jubanski e Djalma Malaquias

Funcionários protestaram em frente a FAS. Foto: DM/Banda B

O superintende do Instituto Pró-Cidadania de Curitiba (IPCC), que é vinculado a Fundação de Ação Social (FAS) de Curitiba, Arai de Lara Bello Filho, confirmou o atraso de dois meses dos funcionários que prestam serviço na reciclagem. Para ele, a situação está insustentável e todas as medidas estão executadas para que o atraso seja sanado, no entanto, dependem exclusivamente do repasse feito pela Prefeitura de Curitiba.

“Realmente, a situação é bem complicada, nós já vínhamos conversando com o município, alertando e tentando de todas as formas em reuniões com funcionários, presença do sindicato, fazer acordo, mas infelizmente a situação se tornou insustentável. Estamos com pedido de ressarcimento para salário de fevereiro, de março e esse processo está tramitando e agora está na Secretaria de Finanças, para fazer o pagamento o quanto antes”, declarou à Banda B, em entrevista no IPCC, que fica na sede da FAS.

Segundo o superintendente, a expectativa era de que o salário caísse na conta dos trabalhadores ainda nessa semana, mas sem sucesso. “Infelizmente, essa situação está insustentável. Dependemos exclusivamente desse recurso que é para pagamento dos funcionários. Estamos fazendo de tudo para que isso se resolva, a intenção é que o pagamento aconteça o quanto antes”, finalizou.

Os funcionários do IPCC fazem parte da Unidades de Valorização de Recicláveis (UVR), pagos por meio de um convênio que o IPCC possui com a Prefeitura de Curitiba e funciona há mais de 30 anos, segundo a assessoria do IPCC que atendeu prontamente à Banda B. Funcionários estão com salários atrasos há dois meses, enfrentando situação de calamidade com compromissos atrasados e descaso dos órgãos públicos.

Outro lado

A Banda B entrou em contato com a Prefeitura de Curitiba, que informou que não há atraso nos repasses da Prefeitura de Curitiba para o IPCC, que é o responsável pelo pagamento dos agentes. Confira a nota na íntegra:

O IPCC encaminhou a solicitação de pagamento pelos serviços prestados em fevereiro apenas no dia 24 de março. Após o recebimento, a Prefeitura fez o procedimento padrão para os repasses, o que inclui questionamentos sobre despesas sem a devida comprovação.
As solicitações precisam ser feitas todos os meses.

Terminado o procedimento, regular e dentro dos prazos habituais, o repasse de R$ 366 mil referentes aos serviços de fevereiro/17 estão sendo feitos nesta sexta-feira (7/4).

O repasse de janeiro foi feito em 13 de fevereiro.

As razões para o IPCC solicitar o repasse na data em que fez devem ser apresentadas pelo próprio instituto.